Veterinários disponíveis para apoiar municípios no cumprimento de lei que proíbe abate nos canis

Veterinários disponíveis para apoiar municípios no cumprimento de lei que proíbe abate nos canis

 

Lusa/Açoriano Oriental   Nacional   11 de Abr de 2017, 18:49

A Ordem dos Médicos Veterinários disponibilizou-se para apoiar os municípios na implementação da lei que proíbe o abate de animais, nomeadamente através da realização de tratamentos gratuitos, como a vacinação, desparasitação e esterilização.

 

Segundo o jornal Negócios de hoje, o Governo quer conhecer o estado dos canis até junho, através de um levantamento, para regulamentar a lei que proíbe o abate de animais.

Depois de identificadas as necessidades, o executivo vai lançar um programa de requalificação ou construção de instalações.

A lei que proíbe o abate de animais dos canis e gatis municipais entrou em vigor em 2016, mas a proibição só tem efeitos práticos a partir de 22 de setembro de 2018. A Direção-Geral de Veterinária e os municípios devem criar até lá condições para efetuarem a esterilização dos animais.

Em declarações esta tarde à agência Lusa, o Bastonário da Ordem dos Médicos Veterinários (OMV), Jorge Cid, congratulou-se com esta lei, sublinhando que os canis “estão lotados" e que “era preciso fazer alguma coisa com urgência”.

O Bastonário ressalvou que haverá municípios que poderão ter mais dificuldades em implementar a lei e que para “facilitar este processo” os veterinários “estão totalmente disponíveis” para os apoiar.

“Sabemos que o período para a implementação da lei irá variar de município para município. Entretanto, nós apresentamos um projeto de protocolo à ANMP (Associação Nacional de Municípios Portugueses) para que se possa ajudar de alguma forma a aliviar os encargos e a ter uma aplicabilidade da lei mais facilitada”, afirmou o Bastonário.

Jorge Cid explicou que a OMV pretende, através da mobilização de todos os centros médico veterinários do país, realizar tratamentos gratuitos de vacinação, esterilização e desparasitação a animais de estimação de famílias carenciadas e a animais errantes.

“Iremos lançar este cheque veterinário com o objetivo de atuar preventivamente nos cuidados destes animais e também na disseminação de doenças que coloquem em causa a saúde pública. Estamos convictos de que este contributo irá ajudar a diminuir os investimentos brutais que os municípios têm para aplicar a lei”, atestou.

Sobre esta questão, a Associação Nacional de Municípios Portugueses alertou hoje para a falta veterinários, o que impede as autarquias de avançarem com esterilizações e cumprirem a lei que proíbe o abate de animais nos canis municipais.

Por outro lado, o partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) considerou que existe dinheiro para construir os Centros de Recolha Oficial de Animais e implementar as políticas de bem estar animal, mas que “não existe vontade política municipal” para o fazer.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.