Vaticano considera suicídio assistido de Brittany Maynard

Vaticano considera suicídio assistido de Brittany Maynard

 

Lusa/AO online   Internacional   4 de Nov de 2014, 14:30

Um alto responsável do Vaticano condenou o suicídio assistido de Brittany Maynard, uma cidadã norte-americana com um tumor no cérebro em fase terminal, classificando-o como "perverso".

 

“Nós não julgamos os indivíduos que o praticam, mas o ato em si deve ser condenado”, sustentou Ignacio Carrasco de Paula, o bispo que dirige a Academia Pontifícia para a Vida, do Vaticano, um ‘think-tank’ semiautónomo da Igreja que estuda questões éticas.

“Esta mulher fez isto pensando que poderia morrer com dignidade, mas é aí que reside o erro: cometer suicídio não é uma coisa boa, é uma coisa perversa, porque é dizer não tanto à própria vida quanto a tudo o que significa respeito pela nossa missão neste mundo e por aqueles que nos são próximos”, sublinhou Carrasco de Paula, em declarações à agência de notícias italiana, ANSA.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.