Vasco Cordeiro satisfeito por água estar própria para consumo

Vasco Cordeiro satisfeito por água estar própria para consumo

 

Lusa/AO Online   Regional   28 de Jun de 2017, 08:44

O presidente do Governo dos Açores afirmou hoje ser tranquilizador saber que a água para consumo humano não está contaminada na Praia da Vitória, onde está a base das Lajes, mas salientou a necessidade constante de monitorização.

“Esta informação que hoje foi reiterada numa audição da Comissão Especializada Permanente [dos Assuntos Parlamentares, Ambiente e Trabalho] da Assembleia Legislativa da região é uma informação que obviamente nos tranquiliza quanto ao momento atual, mas não dispensa a constante monitorização”, afirmou Vasco Cordeiro.

O chefe do executivo regional referiu que “é esse o trabalho que está a ser feito com uma distinção fundamental, a afirmação compete aos técnicos, a diligência da monitorização e de ter este assunto na ordem do dia compete às autoridades regionais e também nacionais”.

Vasco Cordeiro falava aos jornalistas em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, após ter recebido os deputados da Comissão de Defesa Nacional da Assembleia da República, que hoje terminaram uma visita de dois dias à região.

O chefe do Governo açoriano adiantou que abordou, entre outros assuntos, “as diversas vertentes” relativas à base das Lajes, incluindo a ambiental, e o trabalho desenvolvido com o executivo nacional no âmbito da revitalização económica da ilha Terceira.

Já o deputado Marco António Costa garantiu “total disponibilidade” da Comissão de Defesa Nacional para “apoiar institucionalmente as iniciativas que têm sido tomadas pelas autoridades portuguesas, nomeadamente pelo Governo Regional”, no sentido de serem “resolvidas questões que estão pendentes” no âmbito da base aérea, na “relação institucional” com a Força Aérea dos Estados Unidos.

Marco António Costa disse tratar-se de um “problema nacional” e que estão a ser feitos todos os esforços para sensibilizar e obter das autoridades norte-americanas “não só reparação de matérias que são importantes em questões ambientais”, com reflexos na área económica, mas também numa definição “suficientemente estável e rapidamente assumida do caminho que tem que ser feito no âmbito do acordo” entre Portugal e os Estados Unidos.

Hoje, a investigadora do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) Teresa Leitão reafirmou que a água para consumo humano no concelho da Praia da Vitória, onde está sediada a base das Lajes, não teve contaminação.

“Toda a água que foi fornecida [para consumo humano] até hoje foi uma água que não teve contaminação. Estamos a falar de um passado até ao dia de hoje”, disse Teresa Leitão aos deputados da Comissão dos Assuntos Parlamentares, Ambiente e Trabalho.

Em 2005, num estudo realizado pelos militares norte-americanos, foram identificados 35 locais contaminados com hidrocarbonetos e metais pesados nos solos e aquíferos da ilha Terceira.

A contaminação foi confirmada, em 2009, por estudos do LNEC.

Na sequência da redução da presença norte-americana nas Lajes, anunciada em 08 de janeiro de 2015, os Açores apresentaram um plano de revitalização económica da ilha Terceira, no qual pedem ao Governo nacional que assegure junto dos Estados Unidos 167 milhões de euros anuais, durante 15 anos, para a ilha.

Mais de metade dessa verba - 100 milhões de euros anuais - tem como destino a "reconversão e limpeza ambiental" de infraestruturas e terrenos construídos e ocupados pelos Estados Unidos ao longo dos mais de 60 anos, alguns deles com problemas já diagnosticados de contaminação.

 



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.