Vasco Cordeiro manifesta "incompreensão" pela TAP deixar de cumprir obrigações nos Açores

Vasco Cordeiro manifesta "incompreensão" pela TAP deixar de cumprir obrigações nos Açores

 

AOnline/LUSA   Regional   29 de Mar de 2015, 21:44

O presidente do Governo dos Açores manifestou hoje "incompreensão" pela TAP ter deixado de assumir as suas responsabilidades de serviço público na região como determinou o seu acionista, que é o Estado.

"Seria desleal com a minha consciência se nesta oportunidade, referindo a importância que o novo modelo tem também nas ilhas de São Miguel e Terceira, não desse conta pública de um lamento e de uma incompreensão da minha parte, que é o facto da TAP ter abandonado as rotas do Faial e do Pico", disse Vasco Cordeiro.

O chefe do executivo açoriano, que falava na cerimónia comemorativa dos 180 anos da Câmara de Comércio e Indústria de Ponta Delgada, frisou que a transportadora aérea nacional, ainda como empresa pública, "faltou a um compromisso e uma orientação" do Conselho de Ministros de 15 de janeiro de 2015.

A TAP anunciou que ia deixar de voar para a ilha do Pico e Faial e que se manterá apenas nas rotas totalmente liberalizadas (São Miguel e Terceira) no âmbito do novo modelo de transporte aéreo.

Na decisão do Governo da República, segundo Vasco Cordeiro, ficou definido que o privado que viesse a adquirir a TAP teria que assegurar rotas de serviço para ambas as regiões autónomas, o que não acontece, no caso dos Açores,neste momento, em nenhuma rota, ficando a transportadora nacional em igualdade de circunstâncias com as "low cost" nas rotas liberalizadas.

Vasco Cordeiro, perante a presença na cerimónia promovida pela CCIPD do secretário de Estado dos Transportes, declarou que quer que se "esclareça em que termos" se está, com a TAP, ainda antes da sua privatização, a não cumprir as suas obrigações.

O líder do executivo açoriano considerou que a entrada hoje em vigor do novo regime de transporte aéreo nos Açores, constituiu um "marco na história das acessibilidades aéreas" da região com impacto na criação de riqueza e emprego.

Recordando que o Governo dosAçores tomou a iniciativa de avançar com a negociação com o Governo da República de um novo modelo de transporte aéreo em agosto de 2011, Vasco Cordeiro considera que três anos e meio depois se encontrou uma boa solução para estudantes e residentes e para o mercado.

O presidente do executivo afirmou concordar "em absoluto" com o secretário de Estado dos Transportes quando refere que não interessa discutir paternidades do novo modelo de transporte aéreo.

"Ou melhor, eu revejo-me nas palavras do senhor primeiro-ministro quando ainda recentemente, na nossa região, embora noutra qualidade, referiu que este novo modelo foi o fruto da colaboração fértil e efetiva das conversações entre o Governo da República e o Governo Regional dosAçores", declarou Vasco Cordeiro.

O líder do governo açoriano considera que se está perante um "novo patamar" que deve ser aproveitado, sublinhando também as virtudes do novo modelo em termos de novas soluções de carga.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.