Universidade dos Açores vai receber 15,5 ME da República em 2016

Universidade dos Açores vai receber 15,5 ME da República em 2016

 

Lusa/AO Online   Regional   8 de Jan de 2016, 09:00

O reitor da Universidade dos Açores declarou esta sexta-feira que a dotação orçamental da República para a academia este ano será de 15,5 milhões de euros, valor idêntico à previsão de execução do orçamento de 2015.

 

“Reflete, portanto, um aumento da dotação orçamental relativamente há alguns anos. Lembro que a Universidade dos Açores vinha de um período em que as verbas atribuídas diminuíam ou, pelo menos, não aumentavam na proporção do seu desenvolvimento”, afirmou à agência Lusa João Luís Gaspar, a propósito dos 40 anos que a academia açoriana completa no sábado.

O responsável pela universidade - que nasceu como Instituto Universitário dos Açores, sendo o seu primeiro reitor José Enes - considera que este é um orçamento que, apesar de não responder a todas as necessidades da academia, face aos projetos que pretende desenvolver, permite pensar num “ano tranquilo”, embora ainda sob um “grande rigor” em termos de gestão.

A Universidade dos Açores encontra-se sujeita a um plano de recuperação financeira celebrado com o Ministério da Educação, devido às dificuldades de gestão.

O reitor ressalvou que a universidade vai continuar, junto dos governos dos Açores e da República, a “tentar que haja compreensão” para os custos de insularidade e de tripolaridade” da instituição, com polos em Ponta Delgada, Angra do Heroísmo e Horta.

“Não é justo que, no caso concreto dessa condição insular, o Governo não olhe para a Universidade dos Açores como necessitando de cobrir sobrecustos que nos penalizam em comparação com outras universidades”, frisou.

João Luís Gaspar sustenta que um dos grandes desafios que se colocam à instituição é incrementar o seu papel “diferenciador” no contexto nacional e internacional.

“Eu entendo que a Universidade dos Açores tem um papel muito próprio, diferenciador em áreas diversas, desde logo o mar. Somos, por excelência, uma universidade que, face à sua localização, deve fazer incindir uma das suas grandes prioridades no estudo de todas as valências relacionadas com o mar”, defendeu.

O responsável pela academia açoriana, que a 12 de junho de 1989 foi alvo de um incêndio que destruiu o edifício da reitoria e documentação importante, considera que também as questões do Atlântico, de uma forma geral, devem ser contempladas e podem ser um fator de diferenciação.

O reitor salientou que, neste momento, a universidade está numa “fase muito importante” para transitar para um plano de desenvolvimento estratégico.

Quanto à nova proposta da tutela, que quer passar a financiar as academias por legislatura, em alternativa ao orçamento anual, João Luís Gaspar classifica como uma “excelente opção” que será “globalmente benéfica”, uma vez que passam a saber com o que podem contar e depois traçar os seus planos de desenvolvimento em conformidade.

A “grande meta” do reitor para 2016 é a reestruturação da vertente universitária, designadamente a transformação em quatro faculdades, adaptando-a uma realidade diferente para fazer face aos desafios que se colocam, com “maior eficácia”.

Sobre a história da instituição, o responsável admitiu que foram 40 anos de “grandes dificuldades, mas também de um considerável número de êxitos”, sendo esta, hoje, “um dos grandes pilares” da autonomia regional.

 

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.