Universidade de Coimbra fecha em 2013 se Governo fizer mais cortes

 Universidade de Coimbra fecha em 2013 se Governo fizer mais cortes

 

Lusa/Aonline   Nacional   9 de Nov de 2011, 15:47

O Reitor da Universidade de Coimbra afirmou hoje que a instituição encerrará em 2013 se o Governo continuar os cortes orçamentais, e que retirar autonomia universitária significa agravar o défice do Estado, por não poderem angariar receitas próprias.

"Este corte para 2012 deixa-nos no absoluto limiar de funcionamento com um mínimo de dignidade, mas sem margem nenhuma. Em 2013 um corte equivalente ao de 2012 fecha a Universidade de Coimbra", afirmou, à margem da cerimónia de tomada de posse do diretor da Faculdade de Economia, José Reis.

Em declarações à agência Lusa, João Gabriel Silva disse não ser compreensível que o Governo introduza idênticos cortes orçamentais em setores que geram défice, e em setores que não geram défice como acontece com o ensino superior em Portugal.

"As universidades atualmente, como a Universidade de Coimbra, só pagam metade dos seus custos com as transferências do Orçamento de Estado, e não podemos ser tratados da mesma forma que outros setores que apenas geram buracos orçamentais", sublinhou.

Para João Gabriel Silva, esta situação assume contornos mais graves com uma proposta incluída no Orçamento do Estado para 2012 que é "o quase fim da autonomia universitária", e que irá condicionar a capacidade de angariar receitas externas.

"Se nos retiram autonomia e nós não conseguimos angariar receita isso vai agravar o défice. Nós temos de ir à luta todos os anos", para reunir os montantes financeiros, "que são já superiores às transferências do OE", para poder funcionar, acentuou.

Para João Gabriel Silva, "se não dão o peixe, mas também não deixam utilizar a cana de pesca" para que cada instituição possa "arranjar o seu próprio peixe", o ensino superior vai gerar um buraco orçamental que não gera há décadas.

"O Estado vai ter um problema onde não o tinha por nos manietar. Esperamos que haja a clarividência e sensatez para retirar essas limitações" à autonomia universitária, sustentou.

Na sua perspetiva, pode-se colocar a questão "se a boa gestão é bem vinda em Portugal", "se o Governo tem capacidade e interesse em distinguir as situações, ou se trata tudo por igual", a boa e a má gestão.

"Temos de saber, e o Governo tem de saber, se é tudo por igual. Se não fizer distinções não vejo esperança para o país", concluiu.

O reitor da Universidade de Coimbra referiu que a sua instituição sofre no próximo ano um corte de 20 milhões de euros num montante de transferências que se situava nos 80 milhões de euros. Oito milhões de euros são cortes diretos de funcionamento, e 12 milhões pela retirada dos subsídios aos funcionários.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.