UNESCO vai decidir se falcoaria em Portugal é Património da Humanidade

UNESCO vai decidir se falcoaria em Portugal é Património da Humanidade

 

Lusa / AO online   Nacional   27 de Nov de 2016, 10:48

A classificação da arte da falcoaria em Portugal como Património Cultural Imaterial da Humanidade, candidatada em 2015 pela Câmara de Salvaterra de Magos, vai ser decidida, na próxima quarta-feira, numa reunião da UNESCO, na Etiópia.

 

A candidatura foi apresentada por aquele município do distrito de Santarém em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo (ERT-AR), a Universidade de Évora e a Associação Portuguesa de Falcoaria.

A decisão da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) vai ser tomada durante a 11.ª reunião do seu Comité Intergovernamental para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, que vai decorrer, entre segunda e sexta-feira, em Adis Abeba, na Etiópia.

O presidente da Turismo do Alentejo e Ribatejo, António Ceia da Silva, em declarações à agência Lusa, disse que as expectativas acerca da inclusão da arte da falcoaria em Portugal na Lista Representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade são “positivas”.

“Em primeiro lugar, jogamos sempre para ganhar, portanto, as nossas expectativas são positivas”, argumentou o responsável, revelando que está previsto que esta candidatura de Portugal seja analisada na quarta-feira, no âmbito da reunião da UNESCO.

“Os dados que possuímos, em ligação, quer com a Associação Portuguesa de Falcoaria, quer com a câmara municipal, quer com o Comité Nacional da UNESCO, dão-nos indicações de que a nossa expectativa pode vir a ser cumprida favoravelmente”, afirmou.

Mas, apesar do otimismo e porque “o Comité Intergovernamental” da UNESCO “é soberano e a votação só irá ocorrer na quarta-feira”, ressalvou, é preciso “esperar com tranquilidade”.

Caso a candidatura seja aprovada, o presidente da ERT-AR considerou que será “muito relevante para Portugal e para Salvaterra de Magos e todo o Ribatejo”.

“Hoje, o turista é cada vez mais informado, mais culto, mais exigente e o ‘selo’ da UNESCO, de facto, tem influência na afirmação dos destinos turísticos”, realçou.

A classificação, “caso se concretize”, enfatizou, “vai permitir que se olhe para a falcoaria com outros olhos” e que “haja potenciais investidores na área do alojamento, da animação turística e da restauração”.

A falcoaria, lembrou a Turismo do Alentejo e Ribatejo, foi incluída na Lista Representativa do Património Cultural Imaterial da UNESCO em novembro de 2010.

Na altura, Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos) assumiu a liderança e a coordenação de um projeto apresentado, pela 1.ª vez na história da UNESCO, por 11 países - Bélgica, República Checa, França, Coreia, Mongólia, Marrocos, Qatar, Arábia Saudita, Espanha, Síria e Emirados Árabes Unidos –, que incluíram aquela arte nos respetivos inventários nacionais do Património Cultural e Imaterial.

Em 2012, a UNESCO estendeu o reconhecimento de Património da Humanidade à falcoaria praticada na Áustria e na Hungria, disse a ERT-AR, afirmando esperar que seja agora a vez de Portugal se juntar a esta lista de países, com a candidatura “Falcoaria. Património Humano Vivo”.

A falcoaria foi considerada “uma das mais antigas relações entre o homem e a ave”, com mais de 4.000 anos, evocou a ERT-AR, destacando o papel desta arte na fixação da família real no concelho de Salvaterra de Magos “durante longos períodos”.

O edifício da Falcoaria Real de Salvaterra de Magos, recuperado pelo município em 2009, “terá sido construído por ordem de D. José I (século XVIII) na periferia da vila e foi local de encontro de falcoeiros oriundos de vários pontos da Europa”, referiu.

Atualmente, além da visita ao edifício, “ímpar na Península Ibérica”, é possível “interpretar, com a ajuda de um falcoeiro, diferentes espécies de aves de presa, falcões, águias e açores”, cerca de duas dezenas de aves que, diariamente, fazem demonstrações de voo.

A marca “Salvaterra de Magos - Capital Nacional da Falcoaria”, lembrou ainda a ERT-AR, foi registada em 2014 pelo município.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.