Um ano depois da morte de cinco peregrinos em Coimbra, ainda não há despacho final

Um ano depois da morte de cinco peregrinos em Coimbra, ainda não há despacho final

 

Lusa/AO Online   Nacional   10 de Mai de 2016, 08:42

Um ano depois do acidente em Coimbra que provocou a morte de cinco peregrinos, ainda não há despacho final do Ministério Público no processo em que o condutor está indiciado por cinco crimes de homicídio por negligência.

 

Um ano depois, ainda não há acusação ou arquivamento do processo que envolve o jovem condutor, disse à agência Lusa fonte judicial.

O acidente, ocorrido por volta das 04:00 de 02 de maio de 2015, um sábado, provocou a morte de cinco peregrinos provenientes de Mortágua, distrito de Viseu, na localidade de Cernache, Coimbra, após o automóvel se ter despistado à saída de uma curva e invadido a faixa contrária onde seguiam, a pé, cerca de 80 pessoas.

As cinco vítimas mortais do grupo de peregrinos tinham entre os 17 e os 69 anos.

O carro atropelou os peregrinos precisamente numa zona de bermas estreitas, onde o trânsito automóvel está reduzido a duas vias devido à criação de uma faixa de segurança para possibilitar a circulação de peregrinos.

Dois dias após o acidente, o Tribunal de Instrução Criminal de Coimbra decidiu aplicar as medidas de coação de suspensão de atividade de condução e de apresentações semanais às autoridades ao condutor.

Na altura, os órgãos de comunicação Jornal de Notícias e Diário de Coimbra noticiaram que o jovem estava alcoolizado, apresentando uma taxa de álcool de 1,0 g/l e que também tinha sido detetada a presença de canabinoides.

Face à morte de cinco pessoas, a autarquia de Mortágua decretou três dias de luto municipal.

No último dia de luto, foram realizados os funerais dos peregrinos, com milhares de pessoas a deslocarem-se ao quartel dos Bombeiros Voluntários de Mortágua para participarem na cerimónia de despedida de quatro das cinco vítimas.

Durante a homilia, o vigário-geral da Diocese de Coimbra, Pedro Miranda, pediu a todos que rezassem também para que o condutor do automóvel tenha um "arrependimento sincero".

"Rezo também para que aquilo que a justiça humana venha a determinar possa ser para ele uma oportunidade de verdadeira redenção, reabilitação e cura", acrescentou, durante a cerimónia.

A 11 de maio, foi a vez do Santuário de Fátima recordar os peregrinos falecidos, pedindo aos fiéis orações pelos familiares das vítimas e que não caiam "em julgamentos ou lamentos infecundos".

Na reação ao acidente, o presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviário (ANSR) considerou que deviam existir caminhos paralelos dedicados aos peregrinos que vão a pé para Fátima, mas admitiu que é impossível construi-los em todo o país.

Um ano depois, para além de não haver despacho final, a solução para a maioria dos peregrinos continua a ser o caminho pela estrada nacional.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.