TSD/Açores preocupados com o desemprego e com a precariedade laboral nas ilhas

TSD/Açores preocupados com o desemprego e com a precariedade laboral nas ilhas

 

Lusa / AO online   Regional   13 de Mar de 2016, 10:33

Os Trabalhadores Social-Democratas dos Açores (TSD-A) manifestaram ontem a sua preocupação pela taxa de desemprego registada no arquipélago e pelo aumento dos casos de precariedade laboral.

 

Fátima Dias, dirigente social-democrata, disse hoje, no final de uma reunião do Conselho Regional dos TSD, realizado em Ponta Delgada, que os números de desemprego nos Açores "não são motivos de satisfação" para ninguém.

"O desemprego continua a ser um flagelo nos Açores. Pelo terceiro ano consecutivo, a taxa de desemprego na nossa região ficou acima da média nacional. Não há, portanto, motivos para satisfação", lamentou a dirigente dos TSD.

Segundo recordou, o número de desempregados nos Açores é aproximadamente "o dobro do registado em 2010 e o triplo do que se verificava em 2005", com a agravante de 65% dos desempregados estarem nessa condição há mais de 12 meses e de 32% dos desempregados terem entre 25 e 34 anos.

"Significa isso que a economia e as medidas do Governo Regional (PS), não estão a gerar os empregos de que os Açores necessitam", apontou Fátima Dias.

A par dos números do desemprego, os TSD/Açores manifestaram também preocupação com a precariedade laboral e com o facto de existirem milhares de açorianos em "programa ocupacionais", que não contam para as estatísticas do desemprego, mas que também não têm emprego efetivo.

"Trata-se de trabalho sem vínculo duradouro, não integrado numa carreira, sem perspetiva de futuro, além de potencialmente desincentivar a contratação e a integração nos quadros das empresas e dos serviços públicos", lembram os trabalhadores social-democratas.

Apesar do efeito estatístico que os programas ocupacionais têm no abaixamento da taxa de desemprego, os TSD/Açores consideram que estes programas "são necessários e devem prosseguir, enquanto a economia e as medidas governamentais não forem capazes de gerar outras soluções".

Em anos de eleições legislativas regionais, marcadas para outubro, os TSD entendem que, ao fim de 20 anos de políticas socialistas nos Açores, "é tempo de novas políticas e novos protagonistas", apelando a uma vitória de Duarte Freitas, líder do PSD no arquipélago.

Os trabalhadores social-democratas deixam, no entanto, uma chamada de atenção para o interior do partido, para que o PSD/Açores integre militantes dos TSD nas suas listas de candidatos à Assembleia Regional, "de acordo com a representatividade da estrutura em cada círculo eleitoral".

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.