Orçamento de Estado

Tributação sobre bónus pode levar "gente muito valiosa" a abandonar Portugal


 

Lusa / AO online   Economia   28 de Jan de 2010, 14:32

O presidente do Banco Espírito Santo, Ricardo Salgado, considerou esta quinta-feira que a tributação sobre bónus e rendimentos variáveis de administradores e gestores pode levar a que "gente muito valiosa" abandone Portugal para trabalhar noutro país.
"Esta taxação atinge muita gente dentro do BES, não só gestores de topo e poderemos ter gente muito valiosa a sair do país para ir trabalhar para outro", disse Ricardo Salgado durante um almoço promovido pela Associação Industrial Portuguesa - Confederação Empresarial (AIP-CE), em Lisboa.

A proposta de Lei do Orçamento do Estado (OE), entregue terça-feira na Assembleia da República, prevê a cobrança de uma taxa autónoma de IRC de 35 por cento sobre os gastos ou encargos relativos a bónus e outras remunerações variáveis pagas a gestores, administradores ou gerentes de empresas, quando representem mais de 25 por cento da remuneração anual e ultrapassem os 27.500 euros.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.