Tribunal recusa libertar jornalistas da Reuters detidos na Birmânia


 

Lusa/AO online   Internacional   1 de Fev de 2018, 09:38

A justiça birmanesa rejeitou esta quinta-feira o pedido de libertação sob caução de dois jornalistas da agência Reuters, acusados de violar a lei do segredo de Estado ao investigar a crise dos rohingyas.

"O tribunal decidiu recusar a sua libertação sob caução", disse o juiz após várias horas de audiência, numa altura em que a pressão internacional aumenta sobre o país para libertar os jornalistas, detidos há dois meses.

Os jornalistas, Wa Lone e Kyaw Soe Oo, são acusados de terem recebido “importantes documentos secretos” de dois polícias que tinham estado colocados no estado de Rakhine, onde as forças de segurança são acusadas de assassínios em massa durante a operação que levou à fuga de quase 700.000 muçulmanos ‘rohingya’ para o vizinho Bangladesh.

Os dois jornalistas, que são ambos cidadãos birmaneses, podem ser condenados a 14 anos de prisão se forem considerados culpados.

A lei do segredo de Estado da Birmânia (Myanmar) data de 1923, quando o território era uma província da colónia britânica da Índia.

A ONU, a União Europeia e os Estados Unidos, assim como as organizações não-governamentais Amnistia Internacional e Repórteres Sem Fronteiras, pediram a libertação imediata dos dois jornalistas.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.