Tribunal americano condena a 10 anos hacker que violou contas de celebridades

Tribunal americano condena a 10 anos hacker que violou contas de celebridades

 

Lusa/AO Online   Internacional   18 de Dez de 2012, 06:39

Um juiz norte-americano condenou um "hacker" de 36 anos a uma sentença de dez anos de cadeia por ter violado as contas de correio eletrónico de celebridades como a atriz Scarlett Johansson, divulgando fotografias em que apareciam nuas.

A sentença obriga também Christopher Chaney, da Florida, a pagar um total de 76 mil dólares (pouco mais de 50 mil euros) a Johansson, à cantora Christina Aguilera e à atriz e cantora Renee Olstead, que estão entre as dezenas de pessoas cujas contas foram violadas.

Chaney declarou-se culpado em março passado para conseguir um acordo com a acusação. Se tivesse sido condenado por todas as 26 infrações pelas quais foi acusado poderia ter sido condenado a 121 anos de prisão.

O juís S. Otero afirmou que a conduta de Chaney revelou "desrespeito e insensibilidade para com as vítimas", especialmente duas mulheres que perseguiu durante mais de dez anos.

"Foi responsável pela divulgação na Internet de dezenas de fotografias privadas, obtidas ilegalmente", declarou o magistrado, acrescentando que Christopher Chaney conseguiu "aceder a todas as mensagens de correio eletrónico enviadas a mais de cinquenta vítimas e viu as suas informações mais pessoais".

O juiz salientou que o caso evidencia que "o cibercrime é uma ameaça muito real sobre todos os americanos e todos devem salvaguardar as suas identidades e informações pessoais na Internet".

A prisão de Chaney por agentes federais do FBI terminou 11 meses de investigação à violação de contas de dezenas de nomes, incluindo muitas jovens estrelas, como a atriz Mila Kunis.

Acedendo aos contactos nas contas de correio eletrónico das vítimas, Chaney conseguia aceder às contas desses contactos e arranjava assim novas vítimas.

Bill Lewis, do departamento de Los Angeles do FBI, afirmou que "para muitas vítimas, as ações de Cheney foram o equivalente a um ladrão arrombar e entrar em suas casas a meio da noite".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.