Trabalhadores da Base das Lajes consideram "bom sinal" decisão do Congresso dos EUA


 

AO/LUSA   Regional   14 de Dez de 2014, 13:25

O porta-voz dos trabalhadores portugueses da Base das Lajes considerou sábado que o Congresso dos EUA deu um "bom sinal" político ao aprovar um novo adiamento para o corte do contingente militar norte-americano nos Açores.

 

"Acima de tudo, é um bom sinal", disse à Lusa o presidente da Comissão Representativa dos Trabalhadores Portugueses da Base das Lajes, Bruno Nogueira.

No entanto, sublinhou que é um "sinal político", que revela que a diplomacia está a funcionar, mas que, "no terreno", os trabalhadores sentem e sabem que as autoridades militares têm vontade de avançar com a redução da presença norte-americana na ilha Terceira.

Bruno Nogueira disse que os trabalhadores esperam que as "instituições militares" dos EUA sigam aquilo que está a ser decidido a nível político e que se chegue a uma "solução" para as Lajes que seja "menos gravosa" para os trabalhadores, a ilha Terceira e a relação entre Portugal e os Estados Unidos da América (EUA).

Apesar de a decisão tomada pelo Congresso dos EUA na sexta-feira ser positiva, Bruno Nogueira diz que os trabalhadores das Lajes continuam na expetativa, à espera de saber o teor do relatório sobre as bases norte-americanas na Europa, que já devia estar concluído há meses.

"Vamos continuar a trabalhar neste período que nos foi concedido novamente", disse Bruno Nogueira, vincando que os trabalhadores se mantêm alerta.

O Senado dos Estados Unidos aprovou na sexta-feira o orçamento das Forças Armadas para 2015, que proíbe a redução da estrutura militar norte-americana na Base das Lajes, na ilha Terceira, até à divulgação de um novo relatório.

A Câmara dos Representantes já tinha aprovado o mesmo orçamento na semana passada, ficando agora apenas a faltar a ratificação do documento pelo Presidente Barack Obama para terminar o processo, o que deve acontecer nos próximos dias.

O projeto de lei que determina o orçamento das forças armadas norte-americanas, designado National Defense Authorization Act for Fiscal Year 2015, inclui uma emenda sobre as Lajes, iniciativa de um grupo de congressistas ligados a Portugal.

Segundo esta emenda, "a secretaria da Força Aérea não deve reduzir a estrutura na Base Aérea das Lajes até 30 dias depois do Secretário da Defesa concluir o Relatório de Consolidação de Estruturas Europeias", que já está terminado e deveria ter sido divulgado na primavera.

Fonte da Câmara dos Representantes garantiu à agência Lusa que este relatório "está atualmente em espera devido aos recentes conflitos na Ucrânia e com o Estado Islâmico" e que "uma data de divulgação ainda não foi estabelecida".

A emenda é idêntica à que foi aprovada no ano passado e adiou a redução do contingente norte-americano nas Lajes, que tinha sido anunciado e envolvia mais de 400 militares e 500 familiares.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.