"Tinha tanta visão de futuro quanta determinação e persistência"


 

Lusa/Açoriano Oriental   Internacional   16 de Jun de 2017, 17:37

O Presidente da República recordou o antigo chanceler alemão Helmut Kohl como "um homem invulgar" que "tinha tanta visão de futuro quanta determinação e persistência", e contribuiu para haver uma "Europa unida e forte".

 

Helmut Kohl, o "pai" da reunificação alemã, morreu hoje, aos 87 anos.

Em declarações aos jornalistas, no final de uma visita à associação Abraço, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que teve oportunidade de o "conhecer muito bem pessoalmente", quando liderou o PSD, que "foi admitido no Partido Popular Europeu (PPE) largamente pela mão de Helmut Kohl", então chanceler e líder da União Democrata-Cristã (CDU).

O Presidente da República elogiou a determinação de Kohl no processo difícil de reunificação da Alemanha - "quando ele avançou para a reunificação das duas Alemanhas, foi considerado quase louco" - e lembrou a contestação à decisão de "parificar a moeda alemã Ocidental e de Leste".

Marcelo Rebelo de Sousa salientou também que Helmut Kohl "liderou com Mitterrand a Europa num momento crucial, o da aprovação do euro, da moeda única", considerando: "Tinha tanta visão de futuro quanta determinação e persistência. Era verdadeiramente uma pessoa de uma persistência indomável".

"Portanto, guardo dele, além de uma imagem pessoal de grande amizade, uma imagem de grande admiração, porque num momento crucial foi ele a dar o passo essencial para a Europa que temos, a Europa unida e forte que foi possível depois da reunificação alemã", afirmou.

Helmut Kohl estava afastado da vida pública desde 2008 e remetido a uma cadeira de rodas, após a queda numas escadas que lhe provocou um traumatismo cranioencefálico.

Kohl emergiu na política nacional alemã em 1976, quando se tornou no chefe da oposição e conquistou a chancelaria em 1982, após garantir a aprovação de uma moção de censura contra o então chefe do executivo, o social-democrata Helmut Schmidt.

Um ano depois foi confirmado pelas urnas no posto de chanceler, e manteve-se no cargo até 1998, quando foi derrotado pelo social-democrata Gerhard Schröder, que pela primeira vez se aliou aos Verdes para recuperar o governo da Alemanha.

O antigo Presidente dos EUA, Bill Clinton, descreveu numa ocasião Kohl como "o mais importante estadista europeu desde a II Guerra Mundial".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.