Tempo é de negociação mas carga fiscal vai novamente baixar

 Tempo é de negociação mas carga fiscal vai novamente baixar

 

Lusa/AO online   Economia   12 de Out de 2016, 15:35

O Governo assevera que até à aprovação do Orçamento do Estado (OE) todo o tempo é de "negociação" com os partidos que viabilizam o Governo, mas em 2017, diz Pedro Nuno Santos, a carga fiscal vai baixar.

"Pela segunda vez, a carga fiscal vai baixar. De aumentos brutais de impostos percebem alguns partidos da oposição, não este Governo", vincou Pedro Nuno Santos, secretário de Estado dos assuntos parlamentares, no final de reuniões na Assembleia da República com os todos os partidos à exceção do PS, que apenas de noite se reunirá com o Governo.

Em causa estava a apresentação das linhas gerais do Orçamento para 2017, um documento que, advoga Pedro Nuno Santos, "consolida os avanços" já feitos em 2016 pelo executivo viabilizado no parlamento por PS, BE, PCP e "Os Verdes":

"Há um trabalho em curso que está a correr bem. Mais uma vez os quatro partidos que sustentam maioritariamente este Governo estão a trabalhar de forma séria, cuidada, exigente, para que consigamos ter um Orçamento aprovado por uma maioria parlamentar", declarou o governante.

Reconhecendo "diferenças em várias matérias" entre os vários partidos, Pedro Nuno Santos enalteceu contudo o trabalho desenvolvido "de forma coletiva" e onde "todos os dias" há esforços de aproximação entre todos.

Depois, o secretário de Estado teceu críticas à oposição, nomeadamente ao PSD: "Infelizmente o sucesso de alguns partidos da oposição depende do fracasso do país", disse.

"A negociação faz parte desta solução de Governo. Ela é permanente", acrescentou ainda, questionado sobre as reuniões que ainda existirão antes da aprovação do Orçamento do Estado, prevista para a reunião do conselho de ministros de quinta-feira.

O Governo esteve hoje, entre as 11:00 e as 15:00, reunido na Assembleia da República com os partidos que não integram o executivo, ao abrigo do estatuto da oposição, para lhes apresentar as linhas gerais do Orçamento do Estado do próximo ano.

As reuniões - onde esteve Pedro Nuno Santos e o ministro das Finanças, Mário Centeno - foram tidas com o PAN, partido ecologista "Os Verdes", PCP, CDS, BE e PSD.

O Orçamento para 2017 deverá ser entregue na Assembleia da República na sexta-feira, depois de aprovado pelos ministros na quinta-feira.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.