Televisão oficial jordana revela que piloto foi morto há um mês


 

Lusa/AO online   Internacional   3 de Fev de 2015, 16:58

O piloto jordano, que o grupo 'jihadista' Estado Islâmico afirma ter queimado vivo num vídeo divulgado esta terça-feira, foi realmente morto a 3 de janeiro, indicou a televisão oficial da Jordânia.

 

Nos últimos dias, Amã pediu por várias vezes provas de que o piloto Maaz al-Kassasbeh, estava vivo para libertar, em troca, uma ‘jihadista’ iraquiana detida na Jordânia e cuja libertação o Estado Islâmico reclama.

O grupo extremista Estado Islâmico divulgou hoje um vídeo em que afirma ter queimado vivo o piloto jordano, capturado em dezembro, no qual divulga alegadas imagens do ato.

O vídeo, segundo agências internacionais, mostra um homem, apresentado como Maaz al-Kassasbeh, envolto em chamas dentro de uma cela metálica.

A autenticidade das imagens não foi confirmada até ao momento.

Em Washington, o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou que no caso de ser verdadeiro, o vídeo mostra a “barbárie” do Estado Islâmico.

“Se aquele vídeo for autêntico, é mais uma prova da crueldade e da barbárie daquela organização”, afirmou Barack Obama.

O Presidente norte-americano apelou também para que a “vigilância e determinação” para lutar contra os 'jihadistas' sejam reforçadas.

A última vez que Kassasbeh apareceu vivo foi num vídeo do grupo extremista em que aparecia juntamente com o jornalista japonês Kenji Goto, cuja execução foi anunciada no sábado.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.