Taiwan pondera limitar uso de 'drones' por evitar acidentes e espionagem


 

Lusa/AO online   Internacional   23 de Jul de 2015, 12:31

O Governo de Taiwan convocou uma reunião para estudar novas normas para o licenciamento e operação de 'drones', perante receios relacionados com a segurança nacional e eventuais acidentes causados por esses aparelhos não pilotados.

 

Esta semana, um 'drone' chocou contra a Torre 101, em Taipé, que durante anos foi o edifício mais alto do mundo, um incidente que gerou o receio de que os milhões de visitantes chineses na ilha utilizem estes dispositivos para operações de espionagem.

Pequim considera Taiwan uma província do país, embora a ilha funcione, de facto, como um país soberano, com todas as instituições de Governo eleitas pela população.

A China deseja para Taiwan um processo de reintegração idêntico ao encetado para Hong Kong e Macau, prometendo um alto grau de autonomia para a ilha, situação que não agrada a muitos dos habitantes de Taiwan, embora em termos políticos se processe uma cada vez maior aproximação bilateral.

A informação, a 05 de julho passado, pela estação estatal CCTV, da China, de que um edifício parecido com o gabinete presidencial de Taiwan tinha sido o objetivo em manobras militares chinesas, gerou preocupações sobre a segurança nacional em Taipé.

Em junho, foram registados vários incidentes com 'drones' perto de aeroportos, o que desencadeou o receio de que pudessem ocorrer acidentes aéreos devido ao manuseamento inadequado destes dispositivos.

O rápido desenvolvimento da indústria de 'drones' e a redução dos custos destes aparelhos criou problemas não contemplados na legislação atual.

A proliferação dos 'drones' criou problemas de segurança nacional e cidadania e pode afetar o direito à vida privada, disse aos jornalistas o membro do governo Yeh Shin-cheng.

Desde meados de junho, pelo menos três 'drones' chocaram contra a Torre 101, o último dos quais um incidente causado por um turista chinês de 28 anos, que estava alojado num hotel nas proximidades e usava o dispositivo para tirar fotografias.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.