STAL critica "problemas" na aplicação da portaria que regula atividade laboral dos bombeiros

STAL critica "problemas" na aplicação da portaria que regula atividade laboral dos bombeiros

 

Lusa/AO online   Regional   14 de Out de 2011, 14:14

O Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local (STAL) alertou hoje para "problemas" na aplicação da portaria que regulamenta a atividade dos tripulantes de ambulância nos Açores, nomeadamente no que se refere "a salários, horários de trabalho e turnos"

"Foi um processo difícil, mas em janeiro de 2010 entrou em vigor a portaria que regulamenta a atividade dos tripulantes de ambulância na região. Contudo, a situação é irregular, porque existem associações que aplicam melhor e existem outras que a aplicam menos", afirmou o presidente do STAL, Francisco Brás, em declarações aos jornalistas em Ponta Delgada.

O dirigente sindical falava à margem de um Encontro Regional de Bombeiros, que conta com a participação de elementos de várias associações do arquipélago para analisar a situação laboral dos bombeiros nos Açores.

Francisco Brás salientou que "a portaria não está a ser aplicada na sua totalidade em termos de unificação de salários e horários de trabalho", sustentando que, "mesmo tratando-se de trabalho em permanência, ninguém pode trabalhar 30 horas seguidas".

"Esta portaria regulamenta, pela primeira vez, de forma consistente, a atividade dos bombeiros, que durante muitos anos eram só voluntários, mas atualmente, pela dimensão social, são profissionais que exercem atividades em permanência nos aeroportos ou no socorro e proteção às populações", frisou.

Nesse sentido, salientou que o trabalho dos bombeiros "não se esgota no voluntariado", acrescentando que "são também profissionais de Proteção Civil".

"Às vezes, existe pouca compreensão para a importância do trabalho destes profissionais e, enquanto numa empresa melhor ou pior se cumprem horários, numa associação com o nome de voluntários entende-se que esta coisa dos salários é apenas uma possibilidade", afirmou, acrescentando que é necessário "transformar mentalidades".

O presidente do STAL defendeu ainda um "quadro interregional" que possibilite a transferência de bombeiros entre associações "desde que as duas partes estejam interessadas".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.