"Somos todos migrantes" diz o papa em Lesbos

"Somos todos migrantes" diz o papa em Lesbos

 

Lusa/AO online   Internacional   16 de Abr de 2016, 16:57

"Somos todos migrantes", disse o papa Francisco, de visita a Lesbos, numa oração comum com o patriarca de Constantinopla Bartolomeu e o arcebispo de Atenas Jerónimo.

 

Após a oração, os três dignitários religiosos lançaram coroas de flores ao mar, em homenagem aos milhares de migrantes que morreram afogados.

O papa tinha discursado momentos antes no porto de Mitilene, principal cidade da ilha de Lesbos, onde apelou à Europa para respeitar os direitos humanos dos migrantes e sublinhou que estes “não são números, são pessoas”.

“Nunca devemos esquecer que os migrantes, antes de serem números, são pessoas: rostos, nomes, histórias”, disse o papa num discurso à população no porto de Mitilene, capital da ilha de Lesbos.

“Infelizmente, alguns, entre os quais muitas crianças, nem conseguiram chegar, morreram no mar, vítimas de viagens desumanas e de criminosos sem escrúpulos”, acrescentou.

O papa Francisco afirmou que “a Europa é a pátria dos direitos humanos” para sublinhar que “quem pisa solo europeu devia poder experimentá-lo”, manifestando noutro passo a sua “admiração” pelo povo grego que, apesar de todas as dificuldades, “soube manter o seu coração e as suas portas abertas”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.