Só a “paciência de chinês” resiste seis horas ao calor para ver um pavilhão na Expo 2010

Só a “paciência de chinês” resiste seis horas ao calor para ver um pavilhão na Expo 2010

 

Lusa / AO online   Economia   11 de Jul de 2010, 13:06

A Expo 2010, em Xangai, na China, é um teste à resistência dos visitantes, que chegam a esperar seis horas, sob um calor intenso, para ver um pavilhão, confirmando que só a “paciência de chinês” tolera este desafio.

Li Hong, de 42 anos, que integra uma excursão da província de He Bei acompanhada pelos filhos, disse à Agência Lusa ter esperado seis horas para visitar o pavilhão do Japão.

De férias, a turista garantiu não ter ficado impaciente, justificando a “ótima oportunidade” que a Expo 2010 constitui para ver o desenvolvimento das altas tecnologias e das energias limpas.

Questionada sobre o que faz para superar o calor, Li Hong, sentada à sombra e sempre a abanar o leque, respondeu: “Trago o guarda-sol, o leque e bebo mais água”.

Já Wong, de 52 anos, de Pequim, explicou que, embora a persistência não seja uma qualidade de todos os chineses, “se tiverem interesse por alguma coisa ficam pacientes”.

Neste caso, o interesse chama-se Expo 2010 e a possibilidade de “saber mais coisas sobre o mundo”, apontou.

Sentado no chão, Xu Bing, de 32 anos, de Wuhan, estava há uma hora na fila para ver o pavilhão da Arábia Saudita, onde os visitantes chegam a esperar também seis horas para entrar.

“Há muita gente aqui. Por isso temos de ficar pacientes nas filas”, declarou, resignado, enquanto borrifadores lançavam gotículas de água sobre as centenas de pessoas que ali se encontravam de forma a amenizar o calor.

No mesmo local, encontrava-se também Wang, de 36 anos, que, por diversas vezes, já tentara ver o pavilhão da Arábia Saudita.

“Já vim aqui muitos dias e não o consegui visitar”, lamentou a chinesa, justificando a situação por haver muitos visitantes na Expo 2010, um certame “bem sucedido”, observou.

A mulher, residente na província de Je Jiang, adiantou que a expressão portuguesa “paciência de chinês” encontra correspondência na curiosidade dos habitantes.

“Nós, chineses, estamos sempre com curiosidade”, declarou a turista, reconhecendo que para a ultrapassar há que saber esperar.

Para Zhang, de 20 anos, morador em Hunan, só com paciência se sobrevive à Expo 2010, que já ultrapassou os 25 milhões de visitantes desde que abriu portas, a 01 de maio, tendo nalguns dias registado a entrada de meio milhão de pessoas.

“Acho que a situação exige que fiquemos pacientes. A China tem uma população enorme, é necessário que aprendamos a ficar pacientes para tudo”, salientou o jovem, enquanto se refrescava junto de um equipamento portátil de ar condicionado instalado numa das filas de acesso ao pavilhão do Japão.

Zhang acrescentou que é a beber “muita água” que ultrapassa o calor na exposição de Xangai, cidade onde as temperaturas atingem os 40º Celcius no pico do verão, em agosto.

A tenacidade dos chineses em permanecer nas filas, apesar do calor, causou surpresa ao espanhol Miguel Vilalta, de 43 anos, que se deslocou a Xangai para participar numa feira.

“Vim visitar a Expo, mas parece-me que não vou entrar em nenhum sítio porque se tem de esperar demasiado tempo”, disse à Agência Lusa junto ao pavilhão do Japão, onde lançou o repto: “Penso que seria mais rápido se fossem diretamente ao Japão ver o país”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.