Sindicato suspende três dias de greve

Sindicato suspende três dias de greve

 

Lusa/AO Online   Nacional   15 de Jun de 2010, 06:05

 O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) decidiu suspender a greve que tinha convocado para terça, quarta e quinta feira, depois de uma ronda negocial sobre a carreira que decorreu hoje no Ministério da Saúde.

O SEP mantém, porém, a greve marcada para sexta feira, assim como a "manifestação nacional" já convocada para o mesmo dia, disse o coordenador do sindicato, José Carlos Martins.

O dirigente do SEP esclareceu que a greve de sexta feira, que coincide com a realização da "manifestação nacional" no mesmo dia, mantém-se e servirá para os enfermeiros protestarem contra "a imposição" do Ministério da Saúde (MS) em questões salariais.

José Carlos Martins referiu aos jornalistas que o MS "encerrou as negociações impondo a sua grelha salarial", embora se tenha registado "alguma evolução" da posição do ministério dirigido por Ana Jorge em matérias como a avaliação de desempenho e direção de enfermagem, entre outras questões.

O dirigente sindical explicou que, face ao encerramento das negociações por parte do MS, o SEP decidiu suspender a greve prevista para os próximos três dias, porque "não havendo mais negociações não havia possibilidade de obter mais resultados".

"Contudo, quanto à imposição da grelha salarial, isso é para nós totalmente inaceitável", contrapôs José Carlos Martins, justificando assim a manutenção da greve de sexta feira.

Segundo o dirigente do SEP, as "questões salariais são intransponíveis", pelo que "não há qualquer hipótese de acordo com o MS".

Após uma reunião de várias horas com a ministra da Saúde e com o secretário de Estado das Finanças, o coordenador do SEP reconheceu que, "em bom rigor, o Ministério das Finanças está a condicionar as justas soluções para os enfermeiros", por causa do quadro que tem gizado para "a necessidade de contenção " dos encargos salariais dos trabalhadores da função pública.

"A questão em que há desacordo é a questão salarial", insistiu.

José Carlos Martins garantiu que o SEP "não vai baixar os braços" e que vai transmitir ao primeiro ministro e à Assembleia da República a "revolta" que existe no seio desta classe profissional.

No final da reunião com o SEP o Ministério da Educação não quis prestar declarações aos jornalistas.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.