Sindicato de professores critica existência de turmas com mais de 25 alunos nos Açores

Regional /
António Lucas

6243 visualizações   

O Sindicato dos Professores da Região Açores (SPRA) alertou hoje para a existência de mais de 200 turmas com mais de 25 alunos na região, denunciando também a falta de assistentes operacionais e docentes de apoio nas escolas.
 

"Com a complexidade inerente ao processo de ensino de aprendizagem, como se pode pedir a um professor que lecione com qualidade a turmas com 26, 27, 28 alunos dentro de uma sala de aula? Qual a necessidade de comprometer, desta forma, a qualidade do ensino e o sucesso escolar, por todos desejado, quando há imensos docentes colocados com horário incompleto?", questionou o presidente do sindicato, numa conferência de imprensa, em Angra do Heroísmo.

Segundo António Lucas, apesar de o ano letivo 2016/2017 ter arrancado com colocações atempadas, ficaram várias questões por resolver, como a falta de assistentes operacionais, que disse ser "colmatada de forma rotativa por programas ocupacionais que não respondem às necessidades permanentes do sistema".

Por outro lado, o sindicalista salientou que a maioria das escolas tem falta de docentes de apoio, ou porque não foram colocados os docentes requeridos, ou porque "são desviados para tarefas de substituição".

O SPRA denunciou ainda a "falta de verbas para manutenção e melhoramento dos edifícios e aquisição de equipamentos e consumíveis".

António Lucas salientou, por outro lado, que há professores que usufruem de redução da componente letiva por antiguidade e que "são obrigados à permanência no estabelecimento em trabalho direto com alunos", o que considerou ser uma "interpretação abusiva da lei".

O sindicato quer ver resolvidas duas questões no arranque do ano letivo: a simplificação dos procedimentos administrativos para a apresentação do registo criminal e a extinção do regime diferenciado para acesso da compensação por caducidade de contrato a termo certo, que neste momento só se verifica se o contrato seguinte ocorrer no ano civil seguinte.

O SPRA vai adotar medidas de maior proximidade com os seus associados através das novas tecnologias, criando uma aplicação para ‘smartphones’ (SPRA INFO), em que os docentes poderão ter acesso a informações e contactar o sindicato de forma mais rápida.

António Lucas anunciou ainda a disponibilização de um simulador de progressão de carreira no sítio do SPRA na internet para "consciencializar os docentes para a sua real situação".

"O simulador permitirá aos docentes compreender que, face aos congelamentos e regimes transitórios nas carreiras ocorridos depois de 2006, na sua esmagadora maioria, não terão tempo de vida profissional útil para chegar ao topo da carreira, nem aos seus últimos escalões", salientou.