Sindicato da GNR defraudado por Macedo não ter resolvido problemas da Guarda


 

AO/Lusa   Nacional   16 de Nov de 2014, 19:43

A Associação Sócio-Profissional Independente da Guarda (ASPIG) sentiu-se defraudada pelo ex-ministro Miguel Macedo por, enquanto titular da pasta da Administração Interna, não ter resolvido os problemas da GNR, refere aquela organização num comunicado divulgado.

 

O ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, anunciou este domingoque pediu a demissão do Governo, que foi aceite pelo primeiro-ministro.

Na nota, assinada pelo presidente da Direção Nacional, José Alho, a associação diz sentir-se “defraudada com o ministro Miguel Macedo, que acaba de se demitir, na medida em que a sua ‘passagem’ pelo Ministério da Administração Interna em nada resolveu os problemas dos militares da GNR”.

A ASPIG sustenta que “ao invés, tudo se traduziu em expetativas, intencionalmente adiadas, permitindo, com isso, que as alterações ao Estatuto e Lei Orgânica da GNR, tantas vezes prometidas, se mantivessem, até hoje, "na ‘gaveta’".

A associação lamenta ainda que a reativação da Brigada de Trânsito e da Brigada Fiscal da GNR, “tantas vezes anunciada”, bem como a regulamentação do horário de trabalho de referência dos militares da GNR “não passaram de promessas para”, acredita a ASPIG, “apaziguar a ‘revolta’ dos militares e garantir a permanência do ministro com pasta da Administração Interna”.

Numa declaração lida no Ministério da Administração Interna, Miguel Macedo considerou que a sua autoridade enquanto governante ficou diminuída com o envolvimento de pessoas que lhe são próximas nas investigações da Operação Labirinto, que visam alegados casos de corrupção na atribuição de vistos 'gold'.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.