Sem medo da disciplina jovens procuram futuro nas Operações Especiais

Sem medo da disciplina jovens procuram futuro nas Operações Especiais

 

Lusa / AO online   Nacional   5 de Set de 2010, 13:45

Motivados pelo exemplo de familiares ou simplesmente impelidos pelo espírito de aventura, muitos jovens procuram um futuro no Centro de Tropas de Operações Especiais (CTOE), em Lamego, sem receio da disciplina que sabem que lhes será exigida.

A comemorar 50 anos – uma data a assinalar segunda feira numa cerimónia presidida pelo Presidente da República – o CTOE reúne anualmente um elevado número de voluntários, mas as desistências também são muitas.

De 76 jovens que iniciaram a 19 de julho a formação geral comum mantêm-se 64 e a experiência de anos anteriores leva a prever que menos de metade chegarão a graduados em Operações Especiais.

Apesar de estar ainda na reta inicial da formação, Miguel Morais, do Bombarral, está convencido de que vai conseguir seguir as pisadas do avô, major das Operações Especiais.

“O meu avô é uma pessoa bastante disciplinada. Só mesmo aqui é que se consegue ganhar aquela disciplina”, considerou, contando que ele “tenta incutir isso a qualquer neto”.

Por ser “o neto mais velho da família”, o jovem de 20 anos sabia que seria “um orgulho gigante” para o avô se ingressasse no CTOE.

“Visto que eu também estava a precisar disto, estava a precisar de me encaminhar na vida, vim para aqui”, sublinhou.

Nodirkhon Tursunkhodjaev nasceu no Uzbequistão há 20 anos e está há oito em Portugal, mas a vontade de ingressar nas Operações Especiais foi buscá-la às suas raízes.

“No meu país o meu avô era o procurador distrital e a minha mãe costumava contar histórias sobre as condecorações, as cerimónias a que ele assistia. O sonho foi crescendo, eu sempre gostei de disciplina, fui educado com firmeza e decidi vir para aqui”, contou.

Se alguns jovens se intimidam com o grau de exigência do curso, para Nodirkhon Tursunkhodjaev esse foi um dos aspetos que o cativou.

“Sempre fui uma pessoa exigente comigo. Sem treino não se vai a lado nenhum”, assegurou, contando que o lema do CTOE – “vontade e valor” – é igualmente o seu.

Também Alexandre Maia, 24 anos, de Vila Nova de Famalicão, gosta do rigor que lhe exigem.

“Em tudo o que faço, faço-o com rigor, porque sou exigente comigo”, frisou o jovem, que não tem militares na família e encara o CTOE como “um desafio” a que se propôs e “uma porta aberta para o futuro”.

A mudança da vida civil para a militar exige, no entanto, sacrifícios.

“Se estamos aqui é com um objetivo e temos que fazer tudo e abdicar de certos hábitos que tínhamos no mundo civil. Ir à discoteca, beber álcool, tudo isso influencia na nossa preparação física e se realmente queremos chegar ao fim temos que fazer um esforço”, considerou Alexandre Maia.

Para Miguel Morais “muda tudo” desde que se entra numa instituição militar, uma vez que, mesmo em momentos da vida em que esteja vestido à civil, se sente “o peso da farda”.

“Se amigos que estão com desconhecidos dizem ‘o Miguel é militar’ eu vou ser um exemplo de todos os militares existentes em Portugal, mesmo estando à civil. Não é preciso ter a farda”, garantiu.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.