Seguro é hoje recebido pelo Presidente da República, após rejeitar medidas do Governo

Seguro é hoje recebido pelo Presidente da República, após rejeitar medidas do Governo

 

Lusa/AO Online   Nacional   13 de Set de 2012, 07:27

O secretário-geral do PS é hoje recebido pelo Presidente da República, em Belém, depois de ter rejeitado as medidas de austeridade do Governo e advertido que haverá consequências na votação do Orçamento do Estado para 2013.

A audiência com Aníbal Cavaco Silva foi solicitada por António José Seguro com caráter de urgência na terça-feira, enquanto ainda decorria a conferência de imprensa do ministro de Estado e das Finanças, Vítor Gaspar, sobre os resultados da quinta avaliação da ‘troika’ (Banco Central Europeu, Comissão Europeia e Fundo Monetário Internacional) ao Programa de Assistência Económica e Financeira de Portugal.

Na sexta-feira, logo após o anúncio das medidas de austeridade pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, o PS, pela voz do seu líder parlamentar, Carlos Zorrinho, sinalizou a rutura face ao Governo, dizendo "basta" e considerando que as medidas de austeridade tinham "ultrapassado o limite do admissível".

Dois dias depois, no encerramento da Universidade de Verão do PS/Porto, António José Seguro repudiou as medidas de austeridade e avisou que esse posicionamento teria consequências na votação dos socialistas no Orçamento do Estado para 2013.

Ao longo dos últimos dias, figuras socialistas como António Costa, Pedro Silva Pereira ou Eduardo Ferro Rodrigues sugeriram uma rutura total do PS face ao Governo, caso as medidas de austeridade sejam transpostas para o Orçamento.

Na oposição às medidas do Governo, António José Seguro seguiu a via institucional: desde segunda-feira que está a ouvir os parceiros sociais na sede nacional do PS e para hoje à noite convocou uma reunião da Comissão Nacional do seu partido, na qual se fechará o ciclo de auscultação para definição da posição dos socialistas.

Em relação ao encontro com o Presidente da República, ninguém da direção do PS divulgou o que António José Seguro vai comunicar ao chefe de Estado, mas o dirigente socialista Eurico Brilhante Dias referiu-se à importância institucional da reunião e ao sentido de "responsabilidade" deste partido no atual quadro político.

"O PS é sempre um partido de alternativa, o PS lidera na oposição sempre a alternativa. Um partido com a história do PS está sempre preparado para governar", declarou Eurico Dias.

O dirigente do PS acrescentou que o Presidente da República saberá "em primeira mão" o que os socialistas tencionam fazer caso o Governo mantenha as medidas de austeridade que anunciou.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.