Secretário geral dos TSD diz que nos últimos anos o país “andou armado em rico”


 

Lusa / AO online   Economia   10 de Jul de 2010, 13:42

O secretário geral dos Trabalhadores Social Democratas (TSD) considerou hoje que a atual crise económica que afeta o país ficou a dever-se ao facto de Portugal se ter “armado em rico”.

“Portugal andou, nos últimos anos, armado em rico, quando podia fazer uma vida moderada, modesta, uma vida de pessoa remediada, que é aquilo que Portugal é”, afirmou Arménio Santos à Lusa na Guarda, onde participou num encontro distrital dos TSD sobre “economia e emprego”.

Segundo o dirigente nacional dos TSD, nos últimos anos o país teve “um Governo que se vangloriava das grandes obras, dos grandes projetos, das grandes coisas e das grandes operações financeiras”.

“Nós éramos mimosiados com anúncios fantásticos, que pessoalmente até gostaríamos de ver o país realizar essas obras, mas nunca pensámos como é que iríamos pagar essas coisas, como se o dinheiro estivesse ali ao canto da caixa”, denunciou.

Acrescentou que “o dinheiro para existir, tem que se produzir, tem que se criar riqueza e o país descurou a sua parte vital, que é a economia real”.

Em sua opinião esta situação está a repercutir-se “de forma gravíssima em termos sociais”, apontando que o desemprego é apenas uma ponta das consequências” da crise económica.

O líder dos TSD também afirmou que os portugueses “não têm consciência do estado em que o país verdadeiramente se encontra".

“É o Estado que está endividado, são as grandes empresas que estão endividadas ao exterior, é a banca portuguesa que tem que ir buscar financiamento ao exterior, para poder continuar a fazer os empréstimos às famílias e às empresas”, alertou.

Segundo Arménio Santos “nunca Portugal esteve numa situação de tão elevado endividamento externo” como atualmente.

Sobre a introdução de portagens nas SCUT, o secretário geral dos TSD referiu que o Governo PS “optou pela via do não pagamento e agora é forçado a dar o dito por não dito”.

Lembrou que o PSD sempre manteve a mesma postura, defendendo o princípio do utilizador pagador.

No encontro sobre economia e emprego hoje realizado na Guarda participaram entre outros, Almeida Henriques, vice-presidente do Grupo Parlamentar do PSD, o Bispo da Guarda Manuel Felício e Álvaro Amaro, dirigente distrital do partido social democrata.

Em declarações à Lusa, o líder local do PSD desafiou o Governo a ter “coragem política” para “tomar medidas públicas ativas” para o desenvolvimento da economia e para a criação de riqueza nas regiões do interior.

Álvaro Amaro defendeu a criação de uma Agência Promotora do Investimento no Interior e o pagamento de IRC (Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas) “a partir do zero” para as empresas que optem por se fixar nas regiões menos desenvolvidas.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.