Secretário geral da ONU visita muro da separação entre Israel e os territórios palestinianos

 Secretário geral da ONU visita muro da separação entre Israel e os territórios palestinianos

 

lusa   Internacional   20 de Mar de 2010, 12:52

O secretário geral das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-Moon, iniciou hoje a viagem de dois dias aos territórios palestinianos e a Israel com uma visita ao “muro da separação”, na Cisjordânia, com o primeiro ministro da Palestina, Salam Fayad.

Ban Ki-Moon chegou a Israel esta manhã de Moscovo, depois de ter participado na reunião do quarteto de mediadores para o Médio Oriente (ONU, Estados Unidos, União Europeia e Rússia), deslocando-se imediatamente para a cidade cisjordana de Ramallah.

Nesta cidade, o primeiro ministro palestiniano levou o secretário geral da ONU para observar o muro israelita na Cisjordânia, que na sua maior parte é uma cerca e nos centros urbanos transforma-se numa parede de betão de até oito metros de altura.

Fayad mostrou vários mapas e explicou ao secretário geral que Israel construiu cerca de 400 dos 700 quilómetros de muro de separação dos territórios palestinianos de áreas judias previstos.

Israel argumenta que 85 por cento do muro, que os judeus consideram vital para sua segurança, estará construída dentro do território cisjordano e só 15 por cento estará na Linha Verde, a fronteira imaginária aceite internacionalmente depois da primeira guerra árabe israelita de 1948-1949.

O secretário geral da ONU pediu a Israel que levante o bloqueio que mantém na Faixa de Gaza há mais de quatro anos.

Ban Ki-Moon sublinhou que a ampliação dos assentamentos israelitas “deve parar porque viola o direito internacional” e pediu a Israel de liberar parte dos mais de 10 000 presos palestinianos que mantém nas suas prisões, porque seria um “passo positivo”.

Ban Ki-Moon assegurou hoje à Autoridade Palestiniana do "forte suporte" do Quarteto para o Médio Oriente em favor da criação de um Estado palestiniano "viável e independente".

"Eu pude ver com os meus próprios olhos as restrições que pesam sobre os palestinianos. Mesmo no seu território, vocês não conseguem desenvolver ou mesmo manter uma vida económica normal", indicou o secretário.

"Condenamos firmemente, em nome do Quarteto, as recentes medidas de Israel de estabelecer 1 600 unidades de habitação numa colónia de Jerusalém Oriental", reiterou.

"Todas as atividades de assentamento são ilegais em qualquer parte dos territórios ocupados e devem parar", disse, acrescentando que "devemos começar as negociações".

Esta tarde, Ban Ki Moon irá reunir-se com o presidente israelita, Shimon Peres, na sua residência em Jerusalém, e no domingo, viajará à Faixa de Gaza, onde passará apenas algumas horas, encontrando-se com representantes de diferentes agências da ONU e visitará projetos humanitários.

Irá encontrar-se ainda no domingo com o ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, com o número dois da diplomacia de Israel, Dany Ayalon e com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.