Secretário da Saúde no parlamento dos Açores para falar sobre divulgação de dados de utentes

Secretário da Saúde no parlamento dos Açores para falar sobre divulgação de dados de utentes

 

Lusa/AO Online   Regional   29 de Mar de 2017, 08:23

A maioria socialista nos Açores viabilizou hoje a audição do secretário da Saúde sobre a divulgação de dados pessoais de 230 mil utentes do Serviço Regional de Saúde, apesar de PSD, CDS/PP e PPM quererem também ouvir outras pessoas.

“Foi viabilizada a audição do atual secretário regional da Saúde, Rui Luís, sendo que será solicitado que se faça acompanhar da presidente do Conselho de Administração da Saudaçor [Luísa Melo Alves]”, afirmou à agência Lusa a presidente da Comissão Permanente de Assuntos Sociais, a socialista Renata Correia Botelho, órgão que reuniu hoje em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel.

A revista Exame Informática noticiou este mês que dados de quase todos os habitantes dos Açores estiveram expostos no 'site' da Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo.

"O ficheiro tinha o nome 'Exportação Utentes SRSA para Reembolsos'. Quem o descobria na Internet tinha uma surpresa: numa grelha Excel estão os dados discriminados de mais de 230 mil habitantes dos Açores", incluindo "nomes completos, número fiscal e de utente dos serviços de saúde regionais, moradas, datas de nascimento e números de telefone e/ou telemóveis", indicou a revista.

Renata Correia Botelho referiu que a votação das personalidades propostas pelo PSD para audição em sede de comissão teve de ser votada nominalmente, seguindo-se agora o envio do pedido, que será feito “com brevidade”.

O requerimento do grupo parlamentar do PSD a exigir uma “investigação rigorosa” ao sucedido pretendia ouvir também o anterior secretário regional da Saúde e o ex-presidente do Concelho de Administração da empresa pública Saudaçor, algo que a maioria socialista inviabilizou.

Para a deputada social democrata Mónica Seidi, “é lamentável a atitude do partido socialista de impedir que ex-responsáveis visados diretamente no caso sejam ouvidos em sede de comissão”, argumentando que tais audições “permitiriam apurar com rigor e transparência os factos ocorridos”.

Este mês no plenário da Assembleia Legislativa da região Autónoma dos Açores o secretário da Saúde, Rui Luís considerou “grave” a divulgação de dados de 230 mil utentes da região e que os responsáveis pela situação terão as consequências previstas na Lei.

Também o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, classificou como “absolutamente inaceitável” este caso e defendeu o apuramento de responsabilidades “com todo o rigor”.

O ministro anunciou que pediu a intervenção da Inspeção-Geral da Saúde para apurar responsabilidades neste caso, não descartando a necessidade de o Ministério Público intervir.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.