Schulz denuncia medo que judeus sentem na Europa

Schulz denuncia medo que judeus sentem na Europa

 

Lusa/AO online   Internacional   13 de Jan de 2015, 11:07

O presidente do Parlamento Europeu (PE), Martin Schulz, assinalou o 70º aniversário da libertação do campo nazi de Auschwitz, em 27 de janeiro de 1945, salientando que "os judeus ainda temem pela segurança na Europa".

 

Numa declaração feita esta manhã em plenário, Schulz disse que, "70 anos após a libertação de Auschwitz, os judeus na Europa ainda temem pela sua segurança", relembrando os ataques terroristas na semana passada, em Paris, contra o jornal Charlie Hebdo, polícias e um supermercado judaico, que provocaram 20 mortos, incluindo os autores dos atentados.

As imagens que marcaram o momento da libertação dos prisioneiros de Auschwitz "chocam o mundo até hoje", disse Martin Schulz, referindo-se às imagens de pessoas com "vidas roubadas" e relembrando aquelas - a maioria - para as quais a chegada dos libertadores já foi demasiado tarde.

"Auschwitz não foi o único local, mas foi o local central de um genocídio organizado, o maior da história humana", afirmou Martin Schulz.

"Temos de lutar todos os dias contra formas de pensamento e ideologias que julgávamos estarem ultrapassadas", acrescentou, referindo-se ao antisemitismo, à xenofobia, ao ódio e à intolerância.

Mais de um milhão de pessoas perderam a vida no campo de concentração e extermínio de Auschwitz-Birkenau, estabelecido pelos nazis em 1940.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.