Sarkozy considera "inevitável" independência do Kosovo

Sarkozy considera "inevitável"  independência do Kosovo

 

Lusa/AO online   Internacional   14 de Dez de 2007, 17:16

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, considerouesta sexta-feira que a independência do Kosovo "é inevitável", congratulando-se pela "unidade" dos 27 da UE em torno da questão que é "um problema exclusivamente europeu".
    Em conferência de imprensa no fim da Cimeira de Bruxelas de chefes de Estado e de Governo da União Europeia, Sarkozy acrescentou ainda que a separação do Kosovo da Sérvia é uma "situação de facto", uma vez que sérvios e kosovares "não querem viver juntos".

    Entretanto, o Conselho Europeu tinha já declarado hoje estar "disposto a desempenhar um papel de liderança para reforçar a estabilidade na região", considerando que a situação actual no Kosovo "é insustentável".

    A maioria dos países da União Europeia está disposta a apoiar a independência do Kosovo, embora alguns Estados-membros tenham algumas reservas, nomeadamente Chipre, Eslováquia, Espanha e Grécia, devido a possíveis consequências nos seus problemas territoriais internos.

    Para sossegar os Estados-membros que receiam um "efeito de contágio", as conclusões aprovadas pelo Conselho Europeu sublinham "a convicção de que a solução que vier a ser encontrada para o estatuto pendente do Kosovo representará um caso "sui generis" que não constitui precedente".

    A União Europeia também lamentou "profundamente" que sérvios e kosovares albaneses "fossem incapazes de alcançar um acordo aceitável, apesar dos esforços integradores e de boa fé com o apoio total dos Estados-membros", felicitando, contudo, ambas as partes por terem "evitado toda a violência".

    Nas conclusões aprovadas, a UE apela ainda à Sérvia para preencher "as condições necessárias para que o acordo de estabilização e associação possa ser rapidamente assinado", salientando que "a progressão deste país em direcção à União Europeia pode ser acelerada".

    "Uma Sérvia próspera e estável, plenamente integrada na família das nações europeias, constitui um elemento de importância para a estabilidade na região", acrescenta o documento hoje aprovado na cimeira de líderes dos 27.

    Também hoje, o primeiro-ministro português e presidente em exercício da União Europeia, José Sócrates, anunciou a "decisão política" de enviar ao Kosovo uma missão civil e de apoio à polícia da região.

    "Este é o sinal mais claro que a UE podia dar de que quer liderar a questão do Kosovo", no apoio ao desenvolvimento e da paz naquela região", disse o presidente em exercício do Conselho da UE, José Sócrates, no final da reunião de chefes de Estado e de Governo dos 27.

    A missão europeia ao Kosovo, província sérvia que se prepara para declarar unilateralmente a independência, apesar da oposição de Belgrado e da Rússia, será enviada no âmbito da Política Europeia de Segurança e Defesa (PESD).

    José Sócrates não precisou quando é que a missão civil e de apoio às forças policiais irá partir, mas o ministro dos Negócios Estrangeiros do Luxemburgo, Jean Asselborn, revelou que a missão "não iria partir antes do Natal, mas logo a seguir".

    O Kosovo é actualmente administrado pela ONU, com a segurança garantida por uma força da NATO, desde 1999, após o final da guerra na região.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.