II Liga

SAD do Santa Clara aprova contas de 2015/2016 com prejuízo de 125 mil euros

SAD do Santa Clara aprova contas de 2015/2016 com prejuízo de 125 mil euros

 

Nuno Martins Neves   Futebol   16 de Fev de 2017, 20:42

O presidente da SAD do Santa Clara, Rui Cordeiro, revelou que as contas da temporada 2015/2016 foram aprovadas hoje em assembleia-geral com um prejuízo de 125 mil euros.

"Passámos de um prejuízo de 400 mil euros e fechámos com um prejuízo de 125 mil euros. Contamos no próximo ano, e pela primeira vez nos últimos anos no Santa Clara, apresentar resultados positivos", disse Rui Cordeiro à saída da reunião que decorreu na sede do Clube, em Ponta Delgada.

O presidente da SAD, que é também presidente do Clube Desportivo Santa Clara, justificou a redução de perto de 300 mil euros da época 2014/2015 para a época 2015/2016 através de uma política de "contenção de custos".

"O Santa Clara apresenta um dos dez planteis mais baratos da II Liga, por outro lado, temos uma política de contenção de custos quer do ponto de vista das contratações e essencialmente do ponto de vista contabilístico", afirmou.

Segundo Rui Cordeiro, a SAD do Santa Clara continua a precisar "de uma reestruturação financeira feita com rigor", no sentido de ter "uma equipa mais forte na próxima época", sendo que com as vendas feitas este ano e após o fecho do exercício, após 30 de junho de 2015, o responsável acredita que será possível apresentar resultados positivos no final da temporada 2016/2017.

"Estamos profundamente convictos de que com os 350 mil euros em vendas, com o aumento do apoio do Santander que conseguimos nesta época desportiva, com a maximização dos recursos e com a contenção das despesas, que o Santa Clara está a caminhar para apresentar resultados positivos e dar uma maior credibilidade ao nosso projeto desportivo", sublinhou.

No final da assembleia-geral do Santa Clara, o empresário turco Ismail Uzun, que alega ter comprado 46,6% das ações de Mário Batista, antigo presidente do clube açoriano, marcou presença na sede do clube acompanhado pelo seu advogado, onde esteve reunido com membros da formação açoriana por cerca de duas horas.

"Viemos para falar com a direção e conhecer os órgãos sociais, as instalações e falar com as pessoas do Santa Clara", disse aos jornalistas o advogado Fernando Veiga e Gomes, à saída da reunião, recusando adiantar mais pormenores sobre o teor do encontro.

O Tribunal Judicial de Ponta Delgada considerou "improcedentes" duas providências cautelares interpostas pelo empresário no final do ano de 2016 para impugnar as deliberações tomadas em duas assembleias-gerais da SAD do Santa Clara, por não considerar válido o negócio da venda de 46,6% das 47,7% ações detidas por Mário Batista, acionista e antigo presidente da SAD do Santa Clara.

Questionado pelos jornalistas quanto à presença de Ismail Uzun nos Açores e à possibilidade deste se tornar um dos possíveis investidores que o clube procura, o presidente Rui Cordeiro disse aos jornalistas que "desconhecia" a presença do empresário turco hoje nos Açores.

"O Santa Clara é um clube democrático, as instalações são livres de acesso a qualquer cidadão seja de que origem for, ainda ontem tivemos aqui vários cidadãos chineses do Cova da Piedade. É sempre bom recebermos pessoas de fora, o que só demonstra que o Santa Clara é um grande embaixador turístico da região", disse Rui Cordeiro.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.