Saco azul do Grupo Espírito Santo mantido em segredo durante 21 anos


 

Lusa/AO Online   Regional   9 de Abr de 2016, 11:22

A empresa mais misteriosa do Grupo Espírito Santo (GES), suspeita de ser "um gigantesco saco azul", foi mantida em segredo durante mais de 21 anos, noticia o Expresso e a TVI, no âmbito do escândalo dos Papéis do Panamá.

Na edição de hoje, o Expresso, que integra o Consórcio Internacional de Jornalistas, juntamente com a TVI, avança que a Espírito Santo Enterprises foi criada em 1993 e que "Ricardo Salgado e José Manuel Espírito Santo não disseram a verdade à comissão parlamentar de inquérito do BES".

O semanário explica que os documentos em causa têm estado a ser analisados pelo Expresso e pela TVI, numa investigação conjunta com o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ), responsável por coordenar uma investigação global a partir de uma fuga de informação de uma das maiores operadoras de 'offshores' [paraísos fiscais] do mundo, a Mossack Fonseca.

O Expresso detalha que pela empresa terão passado "mais de 300 milhões de euros" e detalha que a mesma serviu "para entregar dinheiro e património de forma camuflada a destinatários ainda por identificar", recorrendo "a circuitos externos complexos fora de Portugal".

Além disso, mostra como a empresa foi criada por todos os membros do conselho superior do GES, ou seja, o núcleo duro da família Espírito Santo, tendo desde o início como presidente Ricardo Salgado e vice-presidente José Manuel Espírito Santo Silva.

Os Papéis do Panamá revelam como "Ricardo Salgado e José Manuel Espírito Santo não disseram a verdade à comissão parlamentar de inquérito do BES", lê-se no Expresso, lembrando que em dezembro de 2014 durante a comissão parlamentar José Manuel Espírito Santo Silva "chegou a dizer aos deputados que tinha tido conhecimento da ES Enterprises há pouco tempo".

"Agora, ao Expresso e à TVI, diz que não se recorda de 'ter tido algum cargo' na ES Enterprises e mantém que não tem 'qualquer conhecimento da atividade' a que se dedicava a empresa", divulga o Expresso.

No que diz respeito a Ricardo Salgado, os ficheiros também mostram contradições com o que o banqueiro disse na comissão de inquérito do BES, "quando disse que se tratava de uma empresa que tinha como função 'a regularização dos serviços partilhados do grupo' e, mais tarde, a prestação de 'serviços à área financeira', admitindo como 'uma falha' o facto de nunca ter constado do organograma do grupo".

O Expresso conta ainda que contactado pelo jornal e pela TVI, Ricardo Salgado não quis falar, justificando-se com o facto de "não comentar processos em segredo de justiça".

O jornal adianta que "no acervo dos 11,5 milhões de ficheiros" dos Papéis do Panamá, existem quase 100 documentos diretamente relacionados coma ES Enterprises, "alguns deles com dezenas de páginas, incluindo troca de 'emails' e atas de reuniões que permitem reconstruir não só a história do saco azul do GES como algumas das suas atividades e de decisões importantes que foram sendo tomadas".

Esta empresa do GES, acrescenta, foi inicialmente criada através da Trident Trust Company, uma operadora de 'offshores' das Ilhas Virgens Britânicas, mas quando em 2007 mudou de nome pela segunda vez, de ES Enterprises para Enterprises Managment Services, a sua gestão fiduciária passou a ser feita pela Mossack Fonseca.

O Expresso revela ainda que, de acordo com os Papéis do Panamá, a ES Enterprises "foi muito além do papel de prestadora de serviços, ao contrário do que referiu Ricardo Salgado no Parlamento", tendo sido detentora de outras sociedades, "num esquema labiríntico".

Segundo o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ, na sigla inglesa), com sede em Washington, que reuniu para este trabalho 370 jornalistas de mais de 70 países, mais de 214.000 entidades ‘offshore’ estão envolvidas em operações financeiras em mais de 200 países e territórios em todo o mundo.

O semanário Expresso noticia ainda na edição de hoje que há mais de 240 portugueses nas ‘offshores’ do Panamá, entre os quais os nomes mais conhecidos são Luís Portela, Manuel Vilarinho e Ilídio Pinho.

A investigação resulta de uma fuga de informação e juntou cerca de 11,5 milhões de documentos ligados a quase quatro décadas de atividade da empresa panamiana Mossack Fonseca, especializada na gestão de capitais e de património, com informações sobre mais de 214 mil empresas "offshore" em mais de 200 países e territórios.

A partir dos Papéis do Panamá (Panama Papers, em inglês) como já são conhecidos, a investigação refere que milhares de empresas foram criadas em "offshores" e paraísos fiscais para centenas de pessoas administrarem o seu património, entre eles rei da Arábia Saudita, elementos próximos do Presidente russo Vladimir Putin, o presidente da UEFA, Michel Platini, e a irmã do rei Juan Carlos e tia do rei Felipe VI de Espanha, Pilar de Borbón.

A informação está disponibilizada num mapa-mundo, no sítio deste jornal, em http://www.irishtimes.com/business/panama-papers.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.