Rússia anuncia hoje medidas de resposta às sanções dos Estados Unidos


 

Lusa/AO Online   Internacional   30 de Dez de 2016, 06:31

A Rússia vai anunciar hoje as medidas que vai tomar contra os Estados Unidos em resposta às sanções impostas na quinta-feira por Washington a Moscovo pela sua suposta ingerência nas eleições presidenciais norte-americanas.

Esta sexta-feira “haverá declarações oficiais, contramedidas e muitas mais coisas”, anunciou a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zajarova, no Facebook.

“A América e o povo norte-americano têm sido humilhados pelo seu próprio Presidente. Não por terroristas internacionais nem por tropas inimigas. Desta vez, a bofetada a Washington foi dada pelo seu próprio senhor”, afirmou a diplomacia russa, em reação às sanções aprovadas pelo Presidente cessante dos Estados Unidos, Barack Obama.

Zajarova classificou a administração de Obama de “grupo de fracassados na política externa, enojados e pouco inteligentes”, que propiciaram “um golpe destruidor do prestígio e da liderança dos Estados Unidos”.

“O espetáculo acabou. Barack Obama e a sua iletrada equipa revelaram ao mundo o seu principal segredo: a exclusividade mascara a debilidade”, disse, em alusão ao discurso proferido por Obama na Academia Militar de West Point em 2014, em que o Presidente norte-americano se referiu à “exclusividade” do seu país para defender a democracia em todo o mundo.

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, tinha garantido na noite de quinta-feira que o Presidente russo, Vladimir Putin, não iria apressar a adoção de medidas de resposta às sanções, embora tenha referido que as mesmas causarão “graves inconvenientes” aos Estados Unidos.

O Presidente da Rússia negou, por inúmeras vezes, que o Kremlin esteja por detrás de uma suposta ingerência no processo eleitoral norte-americano. “Por acaso, os Estados Unidos são uma república das bananas?”, disse, numa ocasião.

Putin acusou ainda os autores dessas denúncias, em particular a candidata derrotada nas presidenciais de novembro, a democrata Hillary Clinton, de tentarem ocultar os problemas reais que afetam a sociedade norte-americana.

A CNN noticiou, entretanto, citando um alto responsável norte-americano, que o Governo russo ordenou o encerramento de uma escola anglo-americana em Moscovo e do acesso que conduz à casa de férias da embaixada dos Estados Unidos na Rússia, no parque de Serebryanyy Bor, perto da capital, em resposta às sanções.

Entre as sanções anunciadas na quinta-feira pelo Presidente dos Estados Unidos existem medidas contra as agências de serviços de informações russas FSB e GRU; a classificação de 35 agentes russos como ‘persona non grata’, aos quais foram dadas 72 horas para abandonarem o país; e o encerramento de dois edifícios em Nova Iorque e Maryland que os Estados Unidos dizem serem utilizadas para “objetivos relacionados com os serviços secretos”.

Os serviços secretos norte-americanos concluíram que o acesso a e-mails do Partido Democrata e da campanha de Hillary e a respetiva divulgação foram levados a cabo para pôr Trump – um ‘outsider’ da política que elogiou Putin – na Sala Oval.

Estas sanções são as mais duras adotadas por Obama durante os seus oito anos de Governo.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.