Rosa Mota no palco do Nacional D. Maria II em janeiro para "O nome da Rosa"


 

Lusa/AO Online   Nacional   22 de Dez de 2015, 05:09

Rosa Mota, campeã olímpica da maratona, sobe ao palco do Teatro Nacional D. Maria II (TNDM), em Lisboa, integrada no elenco de "O nome da Rosa", espetáculo criado por Pedro Zegre Penim, que se estreia em janeiro.

 

A programação para o primeiro trimestre de 2016, em que o teatro comemora 170 anos, inclui ainda as peças “Terreno selvagem”, de Miguel Castro Caldas, e o início d’“A visita escocesa”, um projeto de Inês Barahona e Miguel Fragata, que “promete desvendar recantos desconhecidos do teatro”, segundo o comunicado do TNDM, hoje divulgado.

“Da junta de freguesia à via láctea” é o lema do trimestre, que abre com “O nome da Rosa”, de Pedro Zegre Penim e Hugo van der Ding, que está em cartaz na sala principal do teatro, de 14 a 17 de janeiro.

Além da atleta, constituem o elenco Mariana Magalhães, Pedro Zegre Penim, Hugo van der Ding, Joana Magalhães, Mafalda Banquart, Xana Novais e Luísa Osório.

Segundo a mesma fonte, o encenador tem por objetivo "olhar para o passado de Rosa [Mota], para a sua vitória iniciática em Atenas [1982], mas fazer desse momento e desse passado glorioso um caminho para a abertura de significados no presente, no momento do espetáculo”.

“Terreno selvagem” é uma “cocriação” de Miguel Castro Caldas, Pedro Gil e Raquel Castro, que vai estar em cena na sala estúdio, de 15 a 31 de janeiro, com interpretação de Pedro Gil e Raquel Castro, com criação do espaço cénico de Pedro Silva.

Em fevereiro, a companhia Comédias do Minho apresenta-se no Nacional, onde vai estrear o auto popular profano “Os doze pares de França”, com encenação de João Pedro Vaz.

A apresentação das Comédias Minhotas na sala lisboeta intitula-se “Ocupação minhota” e, entre outras iniciativas, conta com a exposição “Mutantes” e a exibição do documentário “Honrar a sua vinha”, que inclui provas de produtos regionais do vale do Minho.

No âmbito do programa para a “família”, serão apresentadas, em fevereiro, as encenações “A justiça, pequena conferência”, de Jean-Luc Nancy, trabalho de Maria Duarte, Gonçalo Ferreira de Almeida e João Rodrigues, e “Universos paralelos”, uma criação de Jorge Andrade, pelo grupo Mala Voadora, ambas na sala estúdio, e com horários para escolas.

No dia 10 de março, estreia-se “Ivanov”, de Amir Reza Koohestani, a partir do texto homónimo de Anton Tcheckov, que é levado à cena pelo Mehr Theatre Group, de França.

Também a 10 de março, mas na sala estúdio, é feita a estreia de “Judite”, de Rui Catalão, com Ana Guiomar, Cláudia Gaiolas, Tiago Vieira e Rui Catalão.

Entre outras propostas, a programação trimestral do TNDM inclui “Dois poetas, dois compositores”, um concerto solidário com a Escola de Música do Conservatório Nacional, protagonizado pela soprano Ana Paula Russo, o pianista Nuno Vieira de Almeida e o ator João Reis.

A 27 de março, Dia Mundial do Teatro, o TNDM estará “de portas abertas”, com “sessões de entrada livre dos espetáculos ‘A visita escocesa’ e ‘Judite’ e com um regresso a casa: o do espetáculo ‘Três dedos abaixo do joelho’, de Tiago Rodrigues, que se estreou em 2012, na sala estúdio, e estará, neste dia, na Sala Garrett".

 

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.