Rip Curl Pro Search só será retomado na sexta-feira

Rip Curl Pro Search só será retomado na sexta-feira

 

Lusa/AO online   Outras modalidades   4 de Nov de 2010, 10:05

A organização do Rip Curl Pro Search anunciou o prolongamento da suspensão da nona e penúltima etapa do Circuito Mundial ASP até quinta-feira, pelo que a prova será retomada na sexta-feira, devido à morte do surfista Andy Irons.
A morte do havaiano, campeão do Mundo em 2002, 2003 e 2004, na terça-feira, levou à interrupção da prova porto-riquenha durante o dia de hoje, para que a “família do surf pudesse despedir-se de um dos seus mais amados, respeitados e admirados irmãos”.

Em Porta Del Sol, palco da prova, os surfistas, os seus familiares, mas também patrocinadores e membros da organização do evento, deram as mãos dentro de água, formando um círculo gigante, depositaram flores no mar, em silêncio e com a bandeira de Porto Rico a meia haste. Depois desta homenagem emotiva, cada um dos elementos do “dream tour” surfou uma onda em memória de Andy Irons.

Já no Texas, um médico legista de Tarrant County excluiu a possibilidade de a morte do tricampeão ter sido provocada por um traumatismo ou por crime.

Segundo a Associated Press, Nizam Peerwani afirmou que acrescentou que o apuramento da causa de morte de Irons está dependente de complexos testes laboratoriais, que podem demorar várias semanas.

Em comunicado, a polícia disse terem sido encontrados no quarto do surfista medicamentos sujeitos a receita médica, casos do ansiolítico Xanax e do soporífero Ambien.

O surfista, de 32 anos, regressava a Kauai, depois da desistência do Rip Curl Pro Search, que decorre em Porto Rico, tendo sido encontrado morto num quarto de um hotel do aeroporto internacional Fort Worth, em Dallas.

De acordo com a mesma agência, Irons justificou o abandono da prova porto-riquenha com uma doença que terá contraído em Portugal.

No Rip Curl Pro Portugal, disputado em Peniche, de 07 a 14 de Outubro, o havaiano não foi além do 25.º posto, tendo sido eliminado, na segunda ronda, no dia 11, pelo australiano Kai Otton.

Em declarações à Agência Lusa, o director-geral de saúde, Francisco George, assegurou hoje que “não há casos de dengue autóctone em Portugal continental”, frisando: “Todos os casos identificados são importados”.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.