Revista de imprensa nacional


 

Lusa/AO Online   Nacional   22 de Dez de 2010, 05:51

O aumento do número de baixas falsas, a decisão sobre o crescimento do salário mínimo para 500 euros e o cancelamento dos voos na Europa são alguns dos temas em destaque hoje na imprensa.

“Disparam casos de fraudes nas baixas”, escreve o Jornal de Notícias em manchete, adiantando que a Segurança Social já apanhou 67 mil pessoas, mais 20 mil que no ano passado.

Segundo o jornal, a fiscalização só chegou a um terço dos 590 mil casos de baixa.

O Correio da Manhã também faz do tema o seu título principal, noticiando que “67 mil [foram] apanhados com baixas falsas”, tendo o Estado sido burlado em 4 milhões de euros.

O aumento do salário mínimo para 500 euros é outro dos temas em destaque nos jornais, com o Diário Económico a referir que o “Salário mínimo nacional só chega aos 500 euros no final de 2011”, acrescentando que Governo, patrões e UGT negoceiam hoje um aumento faseado e deixam cair a subida prevista para 500 euros.

O Público salienta que “Salário mínimo nos 500 euros não traz grandes custos às empresas” e avança que um estudo do ministério do Trabalho concluiu que o aumento para aquele valor sobe os custos das empresas, no máximo, em 0,20 por cento, a nível nacional.

O mau tempo e as suas consequências nos aeroportos da Europa e, sobretudo, em Londres, são outra das notícias em destaque na imprensa.

Segundo o Diário de Notícias, a TAP acha difícil resolver o problema de Londres antes do Natal, enquanto o JN acrescenta que os portugueses em Londres continuam à procura de alternativas para chegar a Portugal antes do Natal.

“Diretor da PSP quer levar oficiais da GNR a tribunal”, noticia o DN em manchete, explicando que as críticas de comandantes da Guarda à compra dos seis blindados foram entendidas como ofensas à honra.

O jornal puxa também à primeira página “Diplomatas declaram guerra a ‘boys’ no MNE”, indicando que o Estado tem 103 conselheiros técnicos nas embaixadas, alguns deles há mais de 20 anos.

Outras notícias em destaque no jornal são a bomba no metro em Roma e a incerteza sobre quem a colocou, a garantia pelo Governo de que o troço Poceirão-Caia continua vivo e a reclamação pelo líder dos autarcas de 40 milhões de euros ao ministério das Finanças.

No jornal i, a manchete diz que “Há 53 abortos legais todos os dias em Portugal” e que, ao contrário do que sucedeu noutros países, a lei da despenalização em Portugal não baixou o número de abortos legais.

O jornal avança ainda que os partidos da oposição querem que as “conversas informais sobre o BPN e outras questões incómodas” com o ministro das Finanças passem a ser registadas.

“Açúcar de Espanha invade Natal português”, escreve o Jornal de Negócios e explica que o preço e a falta de stock levaram pastelarias a comprar fora do país.

O JdN refere ainda que a China está disponível para emprestar até 5 mil milhões a Portugal e destaca uma entrevista ao secretário-geral da UGT, na qual João Proença diz que o “Código laboral não é propriamente uma Bíblia”.

Outro assunto comum aos jornais é o relatório do Instituto da Droga e Toxicodependência, divulgado na terça-feira, e que, segundo o JN, mostra que o consumo de droga está a crescer e a matar cada vez mais gente, sendo que 12 por cento da população já experimentou.

O i adianta que 4 mil portugueses já procuraram desintoxicação enquanto o Público salienta que houve menos 4 mortos por overdose em 2009.

O JN noticia também que o arranque, marcado para quinta-feira, da operação de segurança nas estradas no Natal, referindo que serão mobilizados 2100 militares da GNR.

O Público destaca que a investigação ao crime organizado ou violento duplicou no último ano, sendo que, de acordo com o relatório anual da PGR, em 2009 foram registados 426 novos inquéritos contra 225 em 2008.

As três ‘newsmagazines’ semanais foram hoje para as bancas, com a Visão a fazer capa com um balanço de 2010, dizendo que foi o ano do fim dos segredos, e a Sábado a destacar a descoberta recente de um irmão perdido de Jesus.

A Focus dedica a capa a um “Fim de ano sem stress” com dicas de especialistas para recuperar de horas ao fogão ou superar a dor da solidão.

Nos desportivos, o destaque é dado ao regresso ao Sporting de José Couceiro.

“Olha quem voltou”, escreve o Record, acrescentando que “José Couceiro regressa ao Sporting 13 anos depois” como diretor-geral.

A Bola salienta que Couceiro já falou com Paulo Sérgio e vai ser apresentado esta tarde.

O Jogo faz capa com a contratação de Nolito pelo Benfica por quatro anos.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.