Representante da República nos Açores apela à resolução de "problemas de ordem estrutural"

Representante da República nos Açores apela à resolução de "problemas de ordem estrutural"

 

LUSA/AO online   Regional   31 de Dez de 2015, 06:06

O representante da República para os Açores considerou hoje, na sua mensagem de Ano Novo, que há na região "problemas de ordem estrutural" que têm de ser enfrentados com "determinação e ambição"

Pedro Catarino, que cessa funções com o final do mandato do Presidente da República, em 2016, aponta a autossuficiência energética, a mobilidade e os transportes e a educação, do pré-escolar à universidade, como exemplos de “áreas fundamentais que merecem uma atuação decidida e prioritária”.

“A minha experiência de quase cinco anos nos Açores diz-me que a região tem tudo para assegurar aos seus habitantes uma excelente qualidade de vida […]. Mas diz-me também que existem insuficiências e bloqueamentos que impedem que a economia tenha a pujança e a vitalidade desejáveis e que os fatores de desenvolvimento humano atinjam os níveis a que todos têm o direito de aspirar”, refere.

Por isso, deixa “um repto” aos governos regional e da República e a toda a sociedade para a resolução dos problemas concretos do dia-a-dia, incluindo a pobreza, que “infelizmente ainda persiste nos Açores, consequência e causa de uma inércia imobilizadora que teima em não se dissipar”.

O responsável, que tem o gabinete instalado em Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, defende também o desenvolvimento de esforços, a começar pelo debate de ideias, para “melhorar o quadro institucional vigente, quer quanto à interação entre os órgãos da República e da região, quer quanto à participação e representação das diferentes ilhas no todo regional, quer quanto à aproximação dos cidadãos dos órgãos eleitos”.

No seu entender, o desenvolvimento socioeconómico da região nos últimos 40 anos é uma “boa demonstração” do que pode ser conseguido no quadro autonómico, que considera estar hoje “bem consolidado”.

A este facto, acrescenta, não é estranho o regime fiscal previsto na Constituição, bem como as receitas do Estado, baseadas no princípio da solidariedade nacional, e dos fundos estruturais da União Europeia (UE).

“Muito haverá, contudo, a fazer no futuro para que se continue no caminho de uma progressiva convergência com os níveis de desenvolvimento nacional e da UE”, declara.

Pedro Catarino preconiza uma colaboração “franca e eficaz” para dar continuidade ao processo de convergência e conduzir os Açores à “almejada autossuficiência”, da qual “só poderá sair reforçada a autonomia regional e o seu contributo para o todo nacional”.

O representante da República diz ter defendido sempre uma “boa cooperação institucional” com os órgãos de poder regionais e entre estes e os órgãos de poder nacionais.

Deixa também uma “palavra de reconhecimento” pela “cortesia e consideração” com que sempre foi tratado pela população dos Açores e destaca a boa cooperação institucional que manteve com a presidente do parlamento dos Açores, Ana Luís, e o presidente do Governo Regional, Vasco Cordeiro.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.