Relógios adiantam 60 minutos no domingo


 

Lusa/AO Online   Nacional   26 de Mar de 2010, 05:41

Portugal Continental e a Madeira vão entrar na hora de verão à 01:00 de domingo, ao adiantar o relógio 60 minutos. Nos Açores, a mudança acontecerá pelas 00:00, altura em que se adianta a hora para a 01:00.

A informação é do Observatório Astronómico de Lisboa (OAL), cujo diretor, Rui Agostinho, explicou que a hora de Verão passou a ser decidida a nível da União Europeia, ao contrário do horário de inverno, que continua sob a soberania dos Estados.

Para tomar a decisão, o Governo ouve a Comissão Permanente da Hora, na qual se sentam representantes de todos os ministérios e entidades que expõem os seus interesses nesta área. À frente está o OAL, que como entidade independente avalia interesses e zela pelo cumprimento da sequência do dia e da noite.

"Porque a actividade humana está extremamente dependente desse ciclo", lembrou o diretor do OAL.

A última reunião foi há cerca de dois anos, para elaborar um relatório para a Comissão Europeia sobre se a hora de verão deveria continuar a vigorar. A resposta foi afirmativa, tanto para o Continente, como para as Ilhas, relata Rui Agostinho à Lusa.

Esta comissão existe formalmente desde os anos 40, mas as suas raízes remontam ao início do início do século XX, quando saber com exatidão a hora ganhou importância crescente na vida em sociedade e em especial nos negócios.

No século XIX, coexistiram a hora astronómica, que começava e acabava ao meio dia solar para acompanhar o trabalho de observação dos astrónomos, e a hora civil (meia noite).

O responsável lembra que mesmo atualmente "há interesses sociais na hora" sobretudo em actividades que dependem muito da hora solar, como a agricultura e a construção civil: "para estas pessoas interessa que a hora que o relógio marca efetivamente corresponda o mais possível às horas de sol".

Já quem joga em bolsas internacionais preferia reger-se mais perto dos relógios de Frankfurt ou de Nova Iorque, "apesar do desfasamento da hora solar", tal como quem tem negócios com Espanha, que iria preferir o regresso de Portugal à hora central europeia.

O responsável informou, que "para já" não têm existido pressões para a redefinição da hora, que segue o meridiano de Greenwich (hora zero) e por isso a comissão não teve necessidade de se reunir ultimamente.

No passado, foi 'chumbado' o regresso à hora +1, que vigorou entre 1993 e 1996, por "os impactos terem sido muito mais negativos".

Entre as razões estava o aumento do consumo de ansiolíticos, relatórios das seguradoras sobre acidentes e a deslocação do afluxo e horário de funcionamento das lojas "mais coincidente com a altura em que há luz no céu".

"Na prática as pessoas vão atrás da luz solar", resumiu.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.