Reitor da Universidade dos Açores vai manter o novo modelo de propinas

Reitor da Universidade dos Açores vai manter o novo modelo de propinas

 

AOnline   Regional   9 de Out de 2014, 21:03

O reitor da Universidade dos Açores declarou hoje que vai manter, apesar da contestação dos alunos, a nova modalidade de pagamento das propinas, que

“Antes pelo contrário. Tivemos a oportunidade de dizer, relativamente ao primeiro semestre, que a reitoria vai ter uma receita equivalente a cerca de 50 por cento, enquanto no ano passado se ultrapassava os 51%”, declarou João Luís Gaspar, aos jornalistas, à saída da reunião do Conselho Geral da Universidade dos Açores.

O reitor sublinhou que apesar da o pagamento das propinas ser agora em quatro prestações, os alunos terão de liquidar os valores no final de cada trimestre, e não no início.

João Luís Gaspar afirma que o novo modelo tem a ver com a necessidade de “aumentar a eficácia da universidade e dos seus serviços na cobrança das propinas”.

“Quando se tem cerca de três mil alunos a pagar propinas todos os meses, nenhum deles a pagar num determinado dia certo, torna-se muito difícil para a universidade ter o seu controlo. É bom até para os próprios alunos gerirem este processo. O que dizemos agora é que não vale a pena estar a pagar em janeiro e fevereiro, pagando-se depois em março os três meses”, referiu.

O reitor reiterou que o valor de propinas a pagar é o mesmo do ano passado, especificando que as dez prestações que os alunos tinham que pagar no último ano letivo “não eram iguais”.

“Por exemplo, no ano passado, as duas primeiras prestações eram no valor de 141 euros, ou seja, 282 euros, estando-se neste momento a juntar as duas numa de 250 euros, um valor inferior”, declarou.

Relativamente ao primeiro pagamento das propinas ser a 30 setembro, referiu que “não corresponde à verdade”, uma vez que os cerca de 900 alunos bolseiros da academia “não são obrigados a cumprir este plano de pagamento”, mas sim o que decorre do apoio social.

“Está também dito no documento que foi apresentado pela reitoria que os primeiros alunos que se inscreveram no concurso nacional de acesso, na primeira fase, estes sim, foram colocados ainda em setembro”, explica.

O reitor clarificou que os restantes alunos "vão pagando agora, de acordo com o plano que está previsto, e que permite uma margem de pagamento até finais de outubro e princípios de novembro, em função da data da sua colocação “.

João Luís Gaspar comentou também o documento entregue pelos alunos ao Conselho Geral, em que contestam as novas regras para pagar as propinas, afirmando que os termos usados “não foram os mais corretos”, mas manifestou “abertura” para dialogar com os estudantes.

O representante dos alunos no Conselho Geral da Universidade dos Açores registou a “abertura” do reitor para discutir as questões que estão em cima da mesa, insistindo na necessidade de “pensar numa outra forma de encarar a situação”, uma vez que existem muitos alunos que estão à espera de uma resolução em relação a esta matéria.

Luís Freitas revelou que se mantém a assembleia-geral de alunos agendada para sexta-feira e que o reitor manifestou a disponibilidade de estar presente e prestar esclarecimentos, mas clarificou que a última palavra será da massa estudantil.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.