Energia

Recursos dos oceanos podem ser importantes em altura de crise

Recursos dos oceanos podem ser importantes em altura de crise

 

Lusa/AO online   Nacional   16 de Mai de 2010, 15:26

Os recursos dos oceanos podem ser importantes num contexto de crise e vários especialistas vão analisar o seu aproveitamento energético, como a exploração de petróleo ou das ondas, disse hoje o presidente da Academia de Engenharia.

Carlos Salema explicou à agência Lusa que "parece importante que, numa altura em que há crise a todos os níveis, se olhe para os oceanos como uma fonte, em particular como uma fonte de energia", embora não esquecendo o seu papel como meio de transporte ou origem de alimentação.  A ideia de analisar as várias potencialidades dos oceanos levou a Academia de Engenharia de Portugal e a Academia das Ciências de Berlim-Brandeburgo a organizar um conjunto de conferências, a realizar nos dois países. O primeiro encontro tem lugar em Lisboa, na segunda feira e terça feira, e reúne especialistas do tema "Oceano como fonte de energia"; a segunda conferência será em Berlim, dentro de um ano, referiu o responsável. Energia eólica nos oceanos, energia das ondas e energia das correntes ou exploração de recursos marinhos a grande profundidade, como o petróleo e o gás, serão temas analisados na conferência. O evento conta com o testemunho de Manuel Ferreira de Oliveira, presidente da Galp Energia, uma empresa portuguesa com "interesses importantes na exploração de petróleo em mar profundo". A área mais desenvolvida em termos de investigação científica no domínio dos oceanos, em Portugal, "é talvez a da ondas, embora os resultados ainda não sejam pragmaticamente transferidos para soluções a funcionar na nossa costa e a produzir energia como gostaríamos", apontou Carlos Salema. "Há ainda outras fontes um pouco mais exóticas que são fontes de energia submarinas, como hidratos de metano, que são menos exploradas", acrescentou.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.