Receita paga programação do Teatro Micaelense

Receita paga programação do Teatro Micaelense

 

Lusa/AO online   Cultura e Social   22 de Mar de 2016, 18:00

O administrador do Teatro Micaelense, em Ponta Delgada, Açores, afirmou que desde 2012 a receita própria alcançada paga o investimento anual na programação, uma sustentabilidade conseguida com "mais público e menos eventos".

 

"Esta lógica de sustentabilidade, para nós, passou a ser preponderante e não podemos fugir desta realidade", disse Alexandre Pascoal em conferência de imprensa, na qual foi apresentada a programação para o período entre abril e agosto deste ano.

Alexandre Pascoal adiantou que em 2014 decorreram no Teatro Micaelense 165 atividades e em 2015 menos três, tendo, mesmo assim, o número de espectadores crescido, dado que em 2014 foram registados 25.347 pessoas e no ano seguinte 31.176.

Segundo o administrador do Teatro Micaelense, atualmente todos os gastos de programação "são feitos única e exclusivamente com receita própria, que advêm da bilheteira (cerca de 40%), alugueres e apoio dos parceiros".

"Em 2010 o teatro tinha um gasto de programação na ordem dos 800 mil euros e este gasto hoje não chega aos 300 mil euros", destacou Alexandre Pascoal.

O Conselho de Governo, reunido na segunda-feira em Ponta Delgada, deliberou autorizar a celebração de um contrato-programa entre a região e o Teatro Micaelense -- Centro Cultural e de Congressos, SA, num montante máximo de até 750 mil euros.

Segundo o comunicado, hoje divulgado, este contrato visa a prossecução de atividades de interesse público fundamentais, designadamente a oferta cultural, a animação turística e o turismo de congressos.

Entre abril e agosto, o Teatro Micaelense irá acolher 20 eventos, entre música, teatro, dança, cinema e residências artísticas, de artistas regionais, nacionais e internacionais.

"É nesta dinâmica de programação que solidificamos o público. Queremos, também, ter um papel mais interventivo e estamos a trabalhar nesse sentido, para podermos convocar os artistas através de encomendas específicas e coproduções, também para aumentar a dinâmica criativa", disse Alexandre Pascoal.

Entre os artistas nacionais, destaque para a apresentação do novo CD de David Fonseca, a 23 de abril, e o regresso dos Deolinda, a 02 de julho, enquanto em maio há uma extensão do Monstra -- Festival de Animação de Lisboa.

A nível regional, entre outros nomes, a bailarina e coreógrafa açoriana Ana Cosme apresenta o espetáculo "Pedaços de mim e de nós", para celebrar 20 anos de carreira, a 11 de junho, e no mês seguinte a banda filarmónica Nossa Senhora das Neves dá um concerto, no âmbito das comemorações dos seus 150 anos.

No plano internacional regressam a Ponta Delgada o pianista Michael Nyman, a 21 de maio, e Vladimir Viardo uma semana antes, para concertos a solo.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.