Recapitalização da CGD poderá ser menor do que os 1,4 mil milhões previstos


 

Lusa/AO Online   Nacional   7 de Nov de 2011, 07:54

O presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos (CGD) afirma que a necessidade de recapitalização do banco estatal poderá ser menor dos que os inicialmente previstos 1,4 mil milhões de euros.

José de Matos, em declarações à agência Lusa, disse que “há que apurar os valores definitivos”, já que, quando a Autoridade Bancária Europeia (EBA) anunciou os montantes relativos aos bancos “eram meramente indicativos”.

A Caixa anunciou a 27 de outubro, após a decisão de os países europeus ‘perdoarem’ parte da dívida grega, que estimava em 2,2 mil milhões de euros as suas necessidades de recapitalização, do qual 1,4 mil milhões de euros seriam resultantes da avaliação a preços de mercado da exposição às dívidas soberanas europeias.

O presidente executivo da CGD está convencido que, após o Banco de Portugal lançar uma série de normas a estipular com mais detalhe as situações de enquadramento das dívidas soberanas em posse dos bancos, a Caixa estará em condições de “apurar a verdadeira necessidade de recapitalização”.

O ministro das Finanças, Vítor Gaspar, afirmou na altura que a recapitalização da CGD será resolvida entre o banco e o Estado. Caso o Governo opte por aumento de capital para a recapitalização da Caixa, o montante não terá implicação no défice do Estado, mas sim na dívida pública.

José de Matos adiantou à Lusa que “a transferência da área seguradora do grupo para o Estado tem de acontecer este ano”, porque será a forma de a CGD conseguir chegar a 2011 cumprindo o rácio de capital ‘core tier 1' acima dos 9 por cento, conforme está estipulado no memorando assinado entre o Estado e a ‘troika’ no âmbito da ajuda externa.

“A alienação do setor segurador vai permitir à Caixa aumentar o seu rácio de capital acima dos 9 por cento”, frisou.

Comentando o futuro da Caixa, o presidente executivo revelou que a nova administração está a preparar “uma revisão do plano estratégico para financiar a atividade nos próximos três anos”, sendo que a atividade internacional está também dentro das “preocupações” da gestão.

José de Matos disse que há três grandes objetivos para os próximos três anos: “Um banco mais sólido, com boa gestão de liquidez e mais rentável”.

O presidente executivo da CGD voltou a afirmar que o banco estatal continua a financiar a economia e que a prova disso é que, nos primeiros nove meses do ano, “a concessão de crédito continuou a crescer, principalmente no crédito às empresas em que subiu mais de 3 por cento”, uma situação só possível, acrescentou José de Matos, porque a instituição financeira “tem, ao mesmo tempo, aumentado a captação de depósitos”.

Os resultados líquidos consolidados da CGD, anunciados na sexta-feira, caíram quase 88 por cento nos primeiros nove meses do ano, para 12,9 milhões de euros.

Na altura, em declarações à Lusa, José de Matos justificou que a queda de lucros "foi negativamente afetada pelos impostos a pagar ao Estado", no valor de 108,7 milhões de euros, "dos quais 22 milhões foram referentes à contribuição extraordinária sobre o setor bancário".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.