Quase 4.000 estudantes de mais de 80 países estudam na Universidade de Coimbra

Quase 4.000 estudantes de mais de 80 países estudam na Universidade de Coimbra

 

Lusa/AO Online   Nacional   13 de Nov de 2015, 08:43

A Universidade de Coimbra conta atualmente com 3.769 estudantes de mais de 80 nacionalidades em regime de mobilidade e através do estatuto de estudante internacional, e tem como objetivo chegar aos seis mil.

 

A nacionalidade mais representada é o Brasil, com 2.023 alunos (1.727 em regime de mobilidade e 296 através do estatuto de estudante internacional), disse à agência Lusa a Universidade de Coimbra (UC).

Em regime de mobilidade, contabilizam-se 3.297 estudantes de 86 nacionalidades: o Brasil surge em primeiro com 1.727, Itália em segundo com 228, segue-se Espanha com 225, em quarto a China com 145 estudantes e a finalizar o top 5 está Angola, com 128.

Através do estatuto de estudante internacional, em que os alunos ingressam na Universidade de Coimbra e pagam uma propina anual de 7.000 euros, registam-se 472 estudantes.

Destes, 101 ingressaram em 2014/2015, e 245 no presente ano letivo, juntando-se ainda estudantes internacionais que ingressaram por via de "transferências, candidaturas diretas a mestrado", entre outras vias.

A UC dá conta ainda de 300 investigadores estrangeiros em regime de mobilidade, segundo dados de dezembro de 2014.

O vice-reitor Joaquim Ramos de Carvalho disse à agência Lusa que o objetivo é que os estrangeiros representem "20% dos estudantes que obtêm o seu grau na UC", o que "implicará perto de 6.000 estudantes".

De acordo com o vice-reitor, o foco no futuro passa por uma maior captação de estudantes ao abrigo do estatuto de estudante internacional (EEI), visto que é aí "que reside a maior capacidade de crescimento".

A aposta será sobretudo em estudantes oriundos do Brasil, dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e da China, referiu.

"O mais importante é que [a UC] ganha diversidade e aproxima-se do mundo. Uma universidade do século XXI forma pessoas para serem cidadãos do mundo e só o pode fazer se incorporar uma dimensão internacional em tudo o que faz, desde os conteúdos que ensina aos estudantes, funcionários e professores que atrai", apontou.

Para Joaquim Ramos de Carvalho, há no ensino superior português "capacidade excedentária em várias áreas de excelência, o que cria oportunidades para internacionalizar".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.