Puigdemont recusa afastamento e quer catalães a fazer “oposição democrática”

Puigdemont recusa afastamento e quer catalães a fazer “oposição democrática”

 

Lusa/AO Online   Internacional   28 de Out de 2017, 19:15

O presidente do governo catalão destituído por Madrid na sexta-feira, Carles Puidgemont, não aceita o seu afastamento e pediu hoje aos catalães para fazerem uma “oposição democrática”.

“Numa sociedade democrática são os parlamentos que escolhem os seus presidentes”, disse Carles Puigdemont numa declaração oficial gravada previamente e transmitida em direto pelas televisões espanholas.

Puigdemont sublinha que a sua vontade é “continuar a trabalhar” e pede a todos os catalães “paciência, perseverança e perspetiva”.

Na curta intervenção de cerca de três minutos, Puigdemont explicou que, para “defender as conquistas conseguidas até hoje”, é preciso manter uma “oposição democrática” à aplicação das medidas aprovadas em Madrid.

“Continuamos a trabalhar para conseguirmos um país [Catalunha] livre” do domínio espanhol, afirmou o líder separatista catalão, assegurando que rejeita a utilização da “força”.

Carles Puigdemont fez a declaração oficial ao lado das bandeiras da Catalunha e da União Europeia, assumindo-se como líder de um país independente que pertence ao clube europeu.

O parlamento regional da Catalunha aprovou na sexta-feira a meio da tarde a independência da região de Espanha, numa votação sem a presença da oposição, que abandonou a Assembleia Regional e deixou bandeiras espanholas nos lugares que ocupavam.

Ao mesmo tempo, em Madrid, o Senado espanhol deu autorização ao Governo espanhol para aplicar o artigo 155º. da Constituição para restituir a legalidade na região autónoma.

O executivo de Mariano Rajoy, do Partido Popular (direita), apoiado pelo maior partido da oposição, os socialistas do PSOE, anunciou ao fim do dia a dissolução do parlamento regional, a realização de eleições em 21 de dezembro próximo e a destituição de todo o Governo catalão, entre outras medidas.

A partir de agora, cada ministério governamental de Madrid irá dirigir os correspondentes serviços regionais, tendo o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, delegado na sua vice-presidente, Soraya Sáenz de Santamaria, as funções e competências do presidente do governo da Catalunha cessante, Carles Puigdemont.

O Governo regional agora demitido por Madrid, apoiado desde 2015 por uma maioria parlamentar de partidos separatistas, organizou e realizou um referendo, considerado ilegal pelo Estado espanhol, em 01 de outubro último.

Nesse dia, numa votação com uma taxa de participação de 43% dos eleitores, votaram “sim” à independência 90% e os “constitucionalistas” (defensores da união com Espanha) boicotaram a consulta, ficando em casa.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.