Psicólogos querem estender aos Açores programa nacional de prevenção da depressão

Psicólogos querem estender aos Açores programa nacional de prevenção da depressão

 

Lusa/AO Online   Regional   7 de Abr de 2017, 07:24

A delegação nos Açores da Ordem dos Psicólogos Portugueses quer estender ao arquipélago o programa nacional de prevenção da depressão, que começa este ano, uma vez que "são muito empíricos" os dados existentes sobre a prevalência desta patologia.

“Pretendemos alargar este programa à região, sofrendo as alterações necessárias às nossas especificidades”, afirmou à agência Lusa a presidente da Delegação Regional dos Açores da Ordem dos Psicólogos Portugueses (DRA-OPP), Maria da Luz Melo, que é uma das oradoras do seminário “Vamos Falar de Depressão”, que decorre hoje em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, no âmbito do Dia Mundial da Saúde.

A Ordem dos Psicólogos propôs recentemente ao ministério da Saúde a criação de um programa nacional de prevenção da depressão, cujo projeto-piloto vai arrancar em algumas unidades de saúde primárias do continente no último trimestre do ano.

“Somos o segundo país da Europa com maior prevalência de perturbações do foro psicológico”, referiu Maria da Luz Melo, acrescentando que em Portugal a maior prevalência da doença ocorre nas mulheres.

Segundo a psicóloga, o programa de prevenção decorrerá “no mínimo durante três anos, sendo feitas avaliações periódicas” e o ideal seria que nos Açores o projeto pudesse arrancar “em simultâneo com o território continental”.

Para Maria da Luz Melo importa melhorar, por exemplo, os níveis de literacia na área da saúde da população, no caso em específico sobre a depressão, que “não pode ser confundida simplesmente com tristeza” e, por outro lado, trabalhar mais em parceria com os médicos de família, que “são por norma os primeiros a quem os pacientes recorrem com sintomatologia depressiva”.

Nos Açores, por não existirem números atualizados sobre a depressão, Maria da Luz Melo defendeu que seria “extremamente importante fazer um estudo epidemiológico”, utilizando os mesmos critérios do estudo feito a nível nacional.

“Os dados que temos são muito empíricos e resultam do trabalho dos colegas nas diferentes instituições onde trabalham, como escolas, consultórios clínicos ou nos hospitais”, sustentou a psicóloga, informando que o primeiro relatório do estudo epidemiológico nacional, que não inclui dados dos Açores, foi editado em 2013.

Fonte da Secretaria Regional da Saúde adiantou à Lusa que de acordo com os dados do inquérito regional da Saúde feito em 2014 um terço da população, com idade entre os 20 e os 74 anos sofre de alterações psicológicas.

Além da palestra de Maria da Luz Melo, o seminário contará na Horta, na ilha do Faial, com a intervenção do médico psiquiatra Jorge Mota Pereira, que falará sobre as abordagens antigas e atuais da depressão a partir das 20:30 (mais uma hora em Lisboa) no Banco de Artistas.

Este evento é uma organização conjunta da Direção Regional da Saúde (DRS) com a Delegação Regional dos Açores da Ordem dos Psicólogos Portugueses, a Unidade de Saúde da Ilha de S. Miguel e a Unidade de Saúde da Ilha do Faial.

 

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.