PSD responsabiliza Governo por "estado desolador" das termas da Graciosa

PSD responsabiliza Governo por "estado desolador" das termas da Graciosa

 

Lusa/AO online   Regional   4 de Mai de 2016, 17:13

O PSD da ilha Graciosa responsabilizou o Governo Regional pelo "estado desolador" e de "abandono" em que se encontram as termas do Carapacho, sustentando que deveriam reabrir este mês.

 

De acordo com um comunicado da Comissão Política de Ilha da Graciosa do PSD, em fevereiro, em informação prestada à Assembleia Municipal de Santa Cruz da Graciosa, o presidente da câmara municipal afirmou que, segundo o diretor regional do Turismo, as termas do Carapacho iriam reabrir este mês.

“Já antes, em novembro de 2015, o mesmo diretor regional afirmava que as termas iriam reabrir em pleno este ano, depois de executadas novas obras de reabilitação. Chegados a maio de 2016, as termas apenas estão com a piscina de água quente a funcionar, não possuindo qualquer outra valência”, referem os social-democratas.

O PSD/Graciosa recordou que as termas do Carapacho “sofreram avultadas obras de reabilitação” em 2010 e que, após essa data, “tem sido um verdadeiro calvário de obras atrás de obras e de encerramentos atrás de encerramentos”.

“Dos duches ‘vichy’ aos tratamentos na área da reumatologia, das massagens terapêuticas aos duches de jato com água termal, passando pelos tratamentos de saúde, lazer e bem-estar, das imersões ou do ‘jacuzzi’, nada disto está ao serviço dos graciosenses e de quem visita a ilha, consistindo num verdadeiro escândalo”, lê-se no comunicado.

O PSD/Graciosa exige que “sejam retiradas consequências políticas do estado a que se deixou chegar aquela infraestrutura”, acrescentando que a ilha “não pode continuar a ser tratada desta forma pelo poder político regional, perante o silêncio do PS/Graciosa e dos responsáveis autárquicos eleitos nas suas listas”.

Em resposta, o diretor regional do Turismo, João Bettencourt, contrapôs que as termas do Carapacho “nunca estiveram encerradas” e que estão operacionais desde julho de 2015, sem interrupção.

João Bettencourt esclareceu que, no que toca às valências termais, registaram-se desde julho de 2015 mais de 4.500 pessoas que frequentaram as termas e banharam-se nas águas termais, admitindo, contudo, que a vertente de ‘spa’ ainda não está operacional.

O responsável assume ter dito serem necessárias intervenções no complexo termal do Carapacho, acrescentando que, dada a sua “complexidade”, foi assumido perante os projetistas a “necessidade de reformulação dos projetos de execução”, tendo como referência a canalização.

João Bettencourt especificou que esta será “devidamente certificada” pela entidade responsável pela área da saúde, por forma a evitar “mais problemas” no futuro.

O diretor regional do Turismo lamentou ainda que o PSD/Graciosa não tenha solicitado à entidade responsável pelas termas do Carapacho que “permitisse visitar o local” e “explicasse quaisquer dúvidas que pudessem ter”.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.