PSD quer cortar despesa do estado em 1% do PIB


 

Lusa/AO On line   Nacional   21 de Abr de 2010, 06:52

O PSD vai propor hoje no Parlamento cortes na despesa do Estado correspondentes a um por cento do PIB, insistindo que a estratégia do Governo inscrita no Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC) deve ser revista.

As propostas do PSD vão ser apresentadas na sessão plenária desta tarde, durante a primeira interpelação ao Governo da liderança social democrata de Pedro Passos Coelho, que tem por tema a política económica e social.

De acordo com fonte do PSD, as propostas que vão ser feitas no debate de hoje correspondem a uma redução da despesa pública de cerca de 1700 milhões de euros, aproximadamente um por cento do Produto Interno Bruto (PIB).

Com esta primeira iniciativa no Parlamento a nova direção social democrata pretende afirmar-se como uma oposição que apresenta propostas concretas e que tem um caminho alternativo ao do Governo socialista.

Pedro Passos Coelho defende uma diminuição do peso do Estado na economia e tem repetido que a consolidação orçamental deveria basear-se na eliminação da despesa pública "que não é essencial", a iniciar já este ano, e não no "aumento de impostos".

"O que dizemos é que há um caminho alternativo. Há o caminho do Governo, que é o de aumentar os impostos. Há o nosso caminho, que é o de cortar na despesa e no desperdício", resumiu o Secretário-geral do PSD, Miguel Relvas, na terça feira, em conferência de imprensa.

Confrontado com o facto de o Primeiro-ministro ter considerado que não fazia sentido rever um PEC que acabou de ser aprovado pela Comissão Europeia, o Secretário-geral do PSD manifestou-se confiante numa mudança de posição por parte de José Sócrates, alegando que foi Bruxelas quem "pôs dúvidas" ao documento apresentado pelo Governo.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.