PSD critica “propaganda” do Air Center e Governo Regional diz que projeto não é imediato

PSD critica “propaganda” do Air Center e Governo Regional diz que projeto não é imediato

 

Lusa/AO online   Regional   28 de Nov de 2017, 14:07

O PSD acusou hoje o Governo dos Açores de fazer propaganda com o Air Center - Centro de Investigação Internacional do Atlântico, mas o executivo regional salientou que um projeto internacional desta envergadura não é imediato.


Na Assembleia Legislativa Regional, na Horta, onde decorre o debate das propostas de Plano e Orçamento regionais para 2018, o deputado social-democrata Luís Rendeiro começou por questionar por que razão o “primeiro supercomputador do país” vai para o Minho e não para os Açores nem para a universidade local, no âmbito do projeto do Air Center, a instalar na ilha Terceira.

“Explique aqui e agora esta derrota sua e da região perante o Governo da República do seu partido que continua a dar provas sucessivas de que os interesses dos Açores valem zero”, afirmou Luís Rendeiro, que pediu ao governante para explicar quais os “investimentos concretos” que o executivo prevê e para que ilhas, “para além dos anúncios e de propaganda, ou de sedes vazias de conteúdo e de projetos”.

Para o parlamentar social-democrata, “por este andar o centro do ar vai ser apenas isso, ar”.

Já Artur Lima, líder parlamentar do CDS-PP, referiu que o debate está a ser “absolutamente surrealista, tal a especialidade deste governo” em ‘fake news’[notícias falsas].

“Eu esperava que o sr. secretário regional viesse aqui anunciar, tal a ciência, tal a tecnologia, tal as inovações, não era um Air Center, mas uma coisa mais evoluída”, declarou, ironizando: “Quando é que a NASA transfere a sua sede para alguma ilha dos Açores, é o que vos falta anunciar”.

O secretário regional do Mar, Ciência e Tecnologia, Gui Menezes, contrapôs que começa “a ser um pouco ridículo” a forma como Luís Rendeiro fala de um projeto de “grande importância para esta região”.

“É triste, mas é verdade, quanto menos alguém entende mais quer discordar”, disse, acrescentando depois: “Não espere que existam resultados deste projeto no dia a seguir, isso é de quem não percebe nada do que é que é o Air Center e quais são as dificuldades que existem na implementação de um projeto internacional desta envergadura”.

Quanto ao deputado Artur Lima, Gui Menezes considerou que, “no mesmo tom de brincadeira, também não acredita em nada”, mas o Governo Regional tem “pelo menos a coragem de ter ideias” e de puxar “os Açores para cima com projetos desta envergadura”.

O deputado socialista José Contente considerou que CDS e PS são reincidentes em desconfiar de tudo aquilo que são os primeiros passos e tudo aquilo que é novo”.

“O Air Center e o Observatório do Atlântico (…) serão também duas realidades, gostem ou não os senhores, fiquem ou não satisfeitos”, disse, destacando que isso significa “qualificação da região, mais emprego qualificado e mais oportunidades no emprego cientifico”.

Quanto ao supercomputador ir para a Universidade do Minho, Gui Menezes disse desconhecer a existência na Universidade dos Açores de “grupos de investigação relacionados com a supercomputação”, acrescentando que este era um acordo que exista entre a academia minhota e a Universidade de Austin-Texas”, mas que “ficará como mais uma infraestrutura que pode ser associada ao Air Center”.

O secretário regional do Mar, Ciência e Tecnologia foi ainda questionado pelo deputado do PSD Luís Garcia sobre a existência de uma dívida de um milhão de euros ao Instituto do Mar, (IMAR) dependente do Departamento de Oceanografia e Pescas da Universidade dos Açores, cujo encerramento foi anunciado em outubro.

“Isso não é verdade, temos de facto uma dívida de 350 mil euros neste momento com o IMAR”, garantiu Gui Menezes.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.