PSD, CDS e PS da Madeira propõem eleições regionais a 29 de março

PSD, CDS e PS da Madeira propõem eleições regionais a 29 de março

 

Lusa/AO Online   Nacional   14 de Jan de 2015, 11:55

Os dirigentes do PSD, CDS e PS da Madeira propuseram hoje ao representante da República a realização de eleições legislativas antecipadas a 29 de março na sequência da exoneração de Alberto João Jardim.

O novo presidente do PSD-M, Miguel Albuquerque, defendeu hoje que os madeirenses e porto-santenses devem ser ouvidos "o mais rapidamente possível" em eleições legislativas regionais antecipadas.

"Entendemos que, nas atuais circunstâncias, os madeirenses e porto-santenses devem ser ouvidos o mais rapidamente possível em eleições antecipadas", disse Miguel Albuquerque após uma audiência com o Representante da República para a Madeira, juiz-conselheiro Ireneu Barreto.

Miguel Albuquerque salientou que a Madeira entrou num novo ciclo político e "é fundamental, auscultar, ouvir aqueles que são o alicerce fundamental de qualquer região democrática que é a população".

O líder aclamado no XV Congresso Regional do PSD realizado a 10 e 11 de janeiro, depois das eleições internas de 19 e 29 de dezembro, referiu ainda que o PSD entende que "as eleições devem ser realizadas a 29 de março".

A delegação do PSD foi composta ainda por Rubina Leal, Fernanda Cardoso e Rui Abreu.

Ainda no âmbito da auscultação aos partidos, o Representante da República recebeu, em seguida, o presidente do CDS-M, José Manuel Rodrigues, que também defendeu a realização de eleições legislativas regionais antecipadas "o mais rápido possível", nomeadamente a 29 de março.

"O CDS pediu também a atenção do Representante da República para a necessidade do governo de gestão do PSD, ainda presidido pelo ex-líder do partido, Alberto João Jardim, respeitar a lei eleitoral e os deveres de neutralidade e de imparcialidade perante todas as forças políticas", acrescentou.

A delegação centrista era constituída por Lopes da Fonseca, Teófilo Cunha e Mário Pereira.

Vítor Freitas, presidente do PS-M, defendeu que "não deve haver passagem de testemunho sem eleições" e que as mesmas também devem ter lugar a 29 de março.

O líder do PS-M revelou ainda ter manifestado ao Representante da República que o processo eleitoral não tenha interferência do governo de gestão: "Queremos que o governo de gestão seja de, facto, um governo de gestão, que não interfira na campanha, nem que utilize os meios da região ao serviço de uma força política".

Defendeu ainda "isenção e imparcialidade" por parte da comunicação social e que "todas as forças sejam tratadas com dignidade e que exista, de facto, debates para se debater o futuro da Região Autónoma da Madeira".

Na parte da tarde, o representante da República recebe as delegações do PTP e do PCP.

Na quinta-feira recebe o MPT, o PND e o PAN.

No âmbito do processo interno no PSD - eleições internas e aclamação do novo líder - o presidente do Governo Regional, Alberto João Jardim, apresentou, segunda-feira, ao Representante da República, o pedido de exoneração do cargo que vem ocupando desde 18 de março de 1978.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.