Casamento homossexual

PSD, CDS e BE acusam governo de discriminação

PSD, CDS e BE acusam governo de discriminação

 

Lusa / AO online   Nacional   8 de Jan de 2010, 10:09

PSD, CDS-PP e Bloco de Esquerda acusaram esta sexta-feira o Governo de criar uma discriminação ao impedir a adopção por casais homossexuais, enquanto o primeiro-ministro criticou que se procure “diminuir” com este tema o “passo histórico” da aprovação do casamento.
“Não lhe parece incoerente fundamentar o diploma que apresenta na proibição de discriminação, mas faz consagrar a diferenciação ao excluir a adopção?”, perguntou a José Sócrates o deputado do PSD Paulo Mota Pinto, que questionou ainda se “há uma agenda para futuramente vir a admitir a adopção por casais do mesmo sexo”.

Para Telmo Correia (CDS-PP), a proposta do Governo institui “uma verdadeira discriminação”, o que mostra que o PS teve “alguma dúvida e insegurança” sobre esta matéria.

Depois de sublinhar as mais de 93 mil assinaturas entregues no Parlamento a pedir a realização de um referendo sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo, o deputado centrista perguntou ao primeiro-ministro se “terá a humildade democrática de ouvir os portugueses sobre esta matéria”, caso a proposta do Governo venha a ser declarada inconstitucional.

O líder parlamentar do Bloco de Esquerda, José Manuel Pureza, afirmou que o Governo se “auto-atribuiu um mandato para discriminar”, numa “violação clara do princípio da igualdade consagrado no artigo 13.º da Constituição”, que considerou “absurda e preconceituosa”.

Na resposta, José Sócrates referiu que o PS não está mandatado para aprovar a adopção por casais do mesmo sexo, acrescentando que está em causa o interesse de terceiros e que “o Estado tem de exprimir uma posição”.

“Não acho desejável que se tente diminuir este passo histórico fazendo do debate sobre o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo o debate sobre a adopção. No meu ponto de vista, são coisas diferentes”, sustentou o primeiro-ministro.

O primeiro-ministro acusou os deputados do Bloco de Esquerda de “sectarismo” e de quererem ser “contra, por alguma razão” todas as propostas do Governo, o que motivou fortes protestos da bancada bloquista.

Quanto ao referendo, Sócrates reiterou o seu respeito pela iniciativa e reafirmou que, com a aprovação deste diploma, “ninguém vai ser afectado em nenhum direito nem em nenhuma crença”.

PSD e CDS também criticaram o executivo de José Sócrates por estar a apresentar esta proposta, considerando que existem outras questões prioritárias para o país, ao que o primeiro-ministro respondeu que “isto é governar, é responder aos problemas”, rejeitando estar a “distrair os portugueses” - como acusou Paulo Mota Pinto -, por considerar que “este não é um combate menor” que revela “um acto de coragem do Partido Socialista”.

Sócrates criticou ainda a união civil registada defendida pelo PSD, uma proposta que considerou não ser “razoável como uma resposta à discriminação”, acrescentando que apenas o “preconceito e insensibilidade” justificam que os sociais-democratas não aceitem chamar casamento à união entre pessoas do mesmo sexo.

Pelos Verdes, que também apresenta um diploma que admite a adopção, Heloísa Apolónia questionou o executivo sobre se existem condições para discutir esta matéria na actual legislatura.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.